Implantação da metodologia TPM

Luis Cyrino
2 set 2017
0
459

Implantação do TPM

Implantação do TPM – A metodologia TPM representa uma forma de revolução, pois conclama a integração total do Homem x Máquina x Empresa, onde o trabalho de manutenção dos meios de produção passa a constituir a preocupação e a ação de todos os colaboradores da empresa.

Veremos na sequência as suas fases e quais as etapas da sua implantação dessa metodologia na empresa, com certeza um sistema de gestão muito eficaz quando aplicado de forma ordenada e respeitando todos os seus passos.

A metodologia ou sistema de gestão do TPM se implanta normalmente em quatro fases (preparação, introdução, implantação e consolidação), e são divididas em doze etapas.

A fase de preparação começa com o anúncio da alta direção da sua decisão de introduzir o TPM e se completa quando for elaborado o plano mestre de desenvolvimento de TPM.

Etapa 1 – Anúncio Oficial

Nessa etapa inicial, desde a alta direção até os operadores existe o entendimento onde todos se comprometem como o programa.

Todos os funcionários devem compreender o porquê da introdução do TPM em sua empresa e estar convencidos de sua necessidade.

É a busca por melhorias de seus processos em todos os níveis, trazendo com isso maior competitividade frente aos seus concorrentes.

Etapa 2 – Programa de Conscientização e Treinamentos Introdutórios do TPM

Na segunda etapa trabalha-se na conscientização dos colaboradores e uma campanha para incorporação do TPM na empresa. Para garantir que todos compreendem as características do TPM, e as razões estratégicas que levarão a direção a aceitá-lo, se organizam seminários externos e treinamentos internos adequados para cada nível.

Algumas das possíveis reações em relação ao TPM são:

  • TPM transgrida à definição funcional (a produção produz e a manutenção conserta);
  • TPM impõe um novo trabalho à produção;
  • TPM resulta numa sensação de perda da função da Manutenção;
  • TPM introduz um potencial de acidente ao permitir a manutenção das máquinas pela Produção;
  • Se o nível de manutenção é excelente, e propicia resultados significativos, há então a necessidade de uma nova sistemática?

A etapa de conscientização tem como objetivo neutralizar todas essas possibilidades de rejeição e desconfiança.

No Japão, os melhores resultados foram alcançados por empresas que dividiram os participantes em três níveis: diretores e gerentes, corpo técnico e supervisores e líderes de grupo, conduzindo um programa em regime de concentração num ambiente externo ao trabalho.

Etapa 3 – Criação da Estrutura encarregada da implementação

Nessa etapa será criada a estrutura para implementação do TPM em toda empresa onde se define as pessoas que formarão a secretaria do TPM e o comitê de implementação do programa.

Este último deverá ser estruturado de forma matricial, com possibilidade de desmembramento tanto horizontal (criação de comitês), como vertical (hierarquia formal).

TPM deverá ser abraçado por toda organização, ou seja, todos os setores estarão envolvidos. No topo da pirâmide temos a alta direção, seguindo-se a média gerência e, na base, os elementos operacionais.

Dois fluxos são fundamentais:

  • De cima para baixo (top to down): diretriz e administração para a conquista dos objetivos;
  • De baixo para cima (bottom to up): participação dos elementos operacionais.

Etapa 4 – Estabelecer Políticas, Objetivos e Diretrizes para o TPM

A quarta etapa para implementação do TPM refere-se à definição da diretriz básica e o estabelecimento das metas a serem conquistadas.

Os objetivos do TPM devem relacionar-se com o planejamento estratégico da empresa, ou seja, com os objetivos de negócio a médio e longo prazo e devem estipular somente depois de análise detalhada com todos interessados, inclusive a alta direção. O programa TPM deve durar o suficiente para obter os objetivos fixados.

Etapa 5 – Elaboração do Plano Mestre

Na quinta etapa tem-se a elaboração do plano mestre onde deverá conter todos os principais eventos inerentes à condução do TPM. O plano mestre deverá ser periodicamente revisto para evitar os impasses e para recuperar as defasagens e os atrasos.

Para elaborar o plano mestre de implantação, primeiro deve-se decidir as atividades que deverão ser executadas para atingir os Objetivos do TPM. Cada empresa deve refletir e decidir sobre os modos mais eficientes de cumprir suas metas através da implantação dos 8 pilares do TPM.

Etapa 6 – Início do projeto TPM (Kick-off)

A sexta etapa refere-se ao início propriamente dito das atividades de TPM. Inicia-se o combate às grandes perdas. Cada um fará uso das ferramentas assimiladas através de novos conhecimentos técnicos e habilidades que foram desenvolvidas.

A partir deste estágio tem-se o envolvimento de todos funcionários. Significa que não mais existirão expectadores, e sim o engajamento de todos na luta contra os desperdícios e as perdas.

Etapa 7 – Implantação dos Pilares base do programa

As empresas devem selecionar e pôr em prática atividades de pilares que busquem eficiente e eficazmente os objetivos estratégicos do TPM. Ainda que diferentes empresas possam selecionar pilares diferentes, os mais comuns são os oito descritos na continuação.

Na sétima etapa tem-se a implantação dos quatro pilares de sustentação do programa: Melhoria Específica, Manutenção Autônoma, Manutenção Planejada e Educação e Treinamento que buscam como resultado a melhoria da produtividade com redução de custos e melhoria da qualidade.

Deverão ser estruturados os grupos autônomos, de modo a incorporar todas possíveis soluções e provar para todos que a Quebra/Falha Zero é tangível.

Convém que o equipamento piloto seja escolhido em função do impacto que ele produz nos resultados e que propicie um incremento da motivação de todos. No equipamento piloto será consumido cerca de três meses para se eliminar todas as principais inconveniências.

Etapa 7.1 – Pilar Melhoria Específica:

As melhorias específicas são um tipo de atividade realizada por equipes de projeto multifuncionais compostas por pessoas tais como engenheiros de produção, pessoal de manutenção e operadores. Estas atividades estão focadas para minimizar as perdas que se busca erradicar.

Etapa 7.2 – Pilar Manutenção Autônoma:

As atividades de Manutenção Autônoma são uma das principais características do TPM. Deverão ser iniciadas juntos com a partida do TPM, onde o operador assumirá a responsabilidade sobre a máquina na qual trabalha, dentro do enfoque: “Da minha máquina cuido eu”. Trata-se de uma peculiaridade oposta à formal função: “A Produção produz e a Manutenção conserta”.

Os operadores se envolvem na manutenção de rotina e em atividades de melhoria que evitam a deterioração celerada, controlam a contaminação e ajudam a melhorar as condições do equipamento.

Etapa 7.3 – Pilar Manutenção Planejada:

A manutenção planejada aborda três formas de manutenção: pós-quebra, preventiva e preditiva. A finalidade de realizar a manutenção preventiva e preditiva é eliminar as quebras, mas mesmo quando se realizam as essas manutenções continuam ocorrendo quebras inesperadas.

Tais quebras revelam erros na frequência e conteúdo dos planos de manutenção e mostram que existem medidas ineficazes de prevenção de quebras.

No TPM, as atividades de manutenção planejada ressaltam a importância de controlar o tempo médio entre falhas (MTBF) e de usar essa análise para especificar os intervalos das intervenções.

Etapa 7.4 – Pilar Educação e Treinamento:

A formação deve também ajustar-se para servir a necessidades individuais. É preciso avaliar cada pessoa para medir seu grau de assimilação dos conhecimentos e capacidades requeridas e identificar suas debilidades, e com tudo isso programar eficazmente sua capacitação.

Devem ser estabelecidos programas de treinamentos consistentes para alcançar objetivos previstos e, ao decidir o nível das pessoas que se deseja ter em um determinado prazo. São traçados planos para a formação no local de trabalho e fora também, (participando de cursos e seminários).

Etapa 8 – Pilar Controle Inicial

O controle inicial tratado inclui o controle inicial de equipamentos e de produtos. A finalidade destas atividades é alcançar – rápida e economicamente – produtos que sejam fáceis de fabricar e equipamentos de fácil utilização.

Todas as atividades, desde o projeto de um equipamento até sua instalação e teste, podem ser consideradas um único projeto.

Etapa 9 – Pilar Manutenção da Qualidade

A manutenção da qualidade é um método para fabricar com qualidade bem na primeira vez e evitar os defeitos através dos processos e equipamentos.

As características de qualidade estão influenciadas principalmente pelos quatro “inputs” de produção: equipamentos, materiais, ações das pessoas (habilidades) e métodos.

O primeiro passo em manutenção da qualidade é clarificar as relações entre estes quatro fatores e as características de qualidade de um produto analisando os defeitos de qualidade.

Etapa 10 – Pilar TPM nas áreas administrativas e de apoio

Os departamentos administrativos e de apoio tem papel importante como suporte da produção. A qualidade e oportunidade de prazo da informação que é passada por esses departamentos tem um grande efeito sobre as atividades da produção.

As atividades de TPM realizadas pelos departamentos administrativos e de apoio não devem somente apoiar o TPM da planta, devem também reforçar suas próprias funções melhorando sua organização e cultura.

Etapa 11 – Pilar Segurança, Higiene e Meio Ambiente

A segurança e prevenção dos efeitos adversos sobre as áreas são temas importantes nas indústrias de processo. Os estudos de operacionalidade combinados com os treinamentos para prevenir acidentes e as análises de falhas são meios eficazes para tratar esses assuntos.

A segurança se promove sistematicamente como parte das atividades de TPM. Como no caso de outras atividades TPM, as atividades de segurança se realizam com o sistema passo-a-passo.

Etapa 12 – Consolidação das metas alcançadas e definir novas metas

No Japão, a primeira fase de um programa TPM termina quando uma empresa ganha um prêmio PM. As atividades TPM não terminam aqui. É preciso continuar empenhando-as firmemente na cultura corporativa tornando-as cada vez mais eficazes.

Uma corporação cresce perseguindo continuamente objetivos cada vez mais desafiadores, objetivos que reflitam uma visão do que a corporação crê deve ser buscado.

As empresas estão se esforçando em realizar planos estratégicos que garantam sua sobrevivência e rentabilidade. O programa de TPM deve estar alinhado com este esforço.

Conclusão

Como podemos ver nesta matéria, a implantação da metodologia TPM deve respeitar uma sequência lógica baseada em 12 etapas.

E fica claro que todas essas etapas têm seu período de entendimento, aplicação e resultados que devem seguir criteriosamente o que foi planejado.

É um sistema que só vai apresentar os resultados esperados com muita disciplina e comprometimento de todos os colaboradores da empresa.

Fonte bibliográfica:

http://www.portaltpm.com.br/

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *