Sistema centralizado de lubrificação

Luis Cyrino
1 jun 2016
5
6093

Sistema centralizado de lubrificação

Sistema centralizado é um método de lubrificação a graxa ou a óleo que tem a finalidade de lubrificar um elevado número de pontos, independentemente de sua localização.

Trata-se de um sistema de aplicação simultânea de lubrificante em todos os pontos de uma máquina, nas quantidades, pressões e frequências corretas, a partir de um reservatório central, podendo ser um sistema automático ou manual.

Nesse sistema centralizado de lubrificação, o lubrificante percorre seu caminho livre de contaminantes, sem manuseio direto com o produto e o melhor de tudo, é um processo que acontece com a máquina em operação.

Diante de todas essas características desse sistema, temos vários benefícios como uma maior eficiência de lubrificação que garante que cada ponto seja lubrificado, segurança pois nesse sistema não tem a intervenção direta do lubrificador e também uma geração de economia pois os desperdícios são mínimos.

Tipos de sistema centralizado

O sistema centralizado consiste em três tipos:

1. Linha simples

Esse sistema é usado em máquina de pequeno e médio porte. Dispõe de bombas manuais, pneumáticas ou elétricas. Quando a bomba atua, desloca lubrificante e pressuriza a linha de alimentação. Isso faz com que os dosadores, acionados pelo próprio lubrificante, injetem óleo nos pontos de lubrificação.

Terminada a pressurização, a linha principal é aliviada. Assim, os pistões dos dosadores retornam à posição original. O retorno é feito por mola e permite a recarga para o próximo ciclo.

2. Linha dupla

Esse sistema dispõe de duas linhas principais, uma para acionamento e outra para retorno dos dosadores. Assim, a válvula direcional ora pressuriza uma linha, ora pressuriza a outra. O sistema centralizado por linha dupla não tem molas, gaxetas ou outras peças facilmente desgastáveis.

O sistema pode ser operado manual ou automaticamente onde controladores elétricos e eletrônicos programam a frequência dos períodos de lubrificação e monitoram o funcionamento. As bombas usadas no sistema de linha dupla podem ser elétricas, pneumáticas ou manuais.

3. Sistema progressivo

Consiste em uma bomba unida a um número variável de dosadores interligados. Os dosadores são modulares, formados por seções superpostas. Cada dosador contém um pistão, orifícios e canais para o fluxo interno do lubrificante.

Embora fisicamente idênticas, as seções possuem pistões com diâmetros variáveis, de acordo com a necessidade de cada ponto.

No sistema progressivo, os pistões encontram-se sempre na linha principal. Cada pistão deve atuar antes que o fluxo da bomba acione o próximo pistão, ou seja, a ligação é feita em série.

Cuidados com o sistema centralizado

O sistema também requer seus cuidados, tanto no processo manual como no automático e podemos citar alguns:

Um dos principais é o problema das contaminações. É preciso evitar contaminações que possam degradar o lubrificante e isso com certeza seria uma catástrofe pois certamente provocariam sérios danos aos diversos componentes da máquina que precisam do lubrificante.

Outra situação com uma possível contaminação seria a obstrução da tubulação, blocos distribuidores e válvulas do sistema que são extremamente sensíveis à contaminantes.

Outro problema a ser verificado constantemente são vazamentos ocasionados por conexões soltas, mangueiras furadas, tubulação rachada entre outros.

Conclusão

Um dos fatores muito importantes na conservação de óleos e suas propriedades é o cuidado que temos que ter com sistemas usados principalmente em circuítos hidráulicos. Vejam no link abaixo uma matéria que falamos sobre a filtragem de óleo desses sistemas.

Sistema de filtragem do óleo

Comentários

5 respostas para “Sistema centralizado de lubrificação”

  1. Walter Bastos disse:

    No sistema de lubrificação de linha simples elétrico por exemplo, ou até mesmo em outro sistema centralizado, o comando que define a quantidade e frequência de graxa são controlados por uma central do sistema de lubrificação que monitora o funcionamento?

    • Luis Cyrino disse:

      Olá Walter, num sistema centralizado totalmente automático, seu controle se baseia num comando eletrônico, distribuidores e dosadores do sistema, são pré ajustados para conduzir uma quantidade de lubrificante específico e em períodos de intervalo também específicos. Também aliado ao sistema e para garantir uma maior precisão, temos na linha um pressostato que por segurança pode parar o sistema por falta ou excesso de pressão na linha e enviar um sinal que o ciclo não foi completado por avarias na linha.

  2. Leandro Matias disse:

    Como sistema centralizado, existeo risco de alguns pontos receberem o lubrificante em excesso e outros até não serem lubrificados? Como evitar isso?
    Obrigado.
    Att. Leandro Matias

    • Luis Cyrino disse:

      Olá Leandro tudo bem? Obrigado por seu comentário e vamos lá, acredito que excesso não acontece porque os dosadores estão dispostos na linha para deixar passar a quantidade de óleo pré ajustada para cada ponto, o que pode acontecer no caso é uma lubrificação em excesso por programação dos intervalos de acionamento estar muito curto e isso se corrige simplesmente com um ajuste no comando de acionamento. Já quanto a falta de lubrificação, isso pode acontecer pelos motivos expostos na matéria com vazamentos em geral ou até obstrução de alguma tubulação mas para isso tem proteção no sistema com a utilização dos pressostatos de linha. Ou seja, é um sistema bem confiável mas que requer alguns cuidados como exposto na matéria, espero ter respondido seu questionamento.

  3. Nonato freire disse:

    Muito Bom o tema abordado sobre Lubrificação Centralizada, Parabéns Luis !!
    Nois da Eximport temos toda a Linha de Equipamentos de Lubrificação centralizada, Já estamos no mercado a 59 Anos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *