Aditivos adicionados aos lubrificantes

Luis Cyrino
23 nov 2016
2
9435

Lubrificantes e seus aditivos

Para conferir, retirar ou melhorar certas propriedades especiais dos lubrificantes, que não condizem com o desejado, especialmente quando o lubrificante é submetido a condições severas de trabalho, são adicionados produtos químicos aos óleos lubrificantes, que são chamados aditivos.

Conceito básico

Aditivos são compostos químicos, minerais ou orgânicos, solúveis no óleo, capazes de melhorar ou acrescentar algumas propriedades ao lubrificante, ou seja, são certas substâncias que entram na formulação de óleos e graxas para conferir-lhes certas propriedades.

Vejam mais sobre óleos lubrificantes neste link.

Existem aditivos que atuam em mais de uma propriedade requerida pelo lubrificante, assim, para melhorar certas propriedades são necessários mais de um aditivo. O conjunto de aditivos adicionados ao óleo deve ser compatível quimicamente e apresentar sinergismo onde:

Sinergismo:

É quando o efeito de dois ou mais aditivos atuando simultaneamente é superior à soma dos efeitos de cada um deles atuando isolado.

Anti-sinergismo:

É quando o efeito de dois ou mais aditivos atuando simultaneamente é, inferior a soma dos efeitos de cada um deles atuando isolado.

A presença de aditivos nos lubrificantes tem os seguintes objetivos:

  1. Melhorar as características de proteção contra o desgaste e de atuação em trabalhos sob condições de pressões severas;
  2. Aumentar a resistência à oxidação e corrosão;
  3. Aumentar a atividade dispersante e detergente dos lubrificantes;
  4. Aumentar a adesividade;
  5. Aumentar o índice de viscosidade.

Os principais aditivos estão divididos em:

Detergentes / dispersantes:

São utilizados para manter a limpeza dos equipamentos, mantendo os materiais insolúveis em suspensão no óleo. Esses aditivos são atraídos para os materiais insolúveis por forças polares (processo físico), e a sua solubilidade no óleo mantém esses materiais em suspensão.

Antioxidantes:

São utilizados para retardar a decomposição por oxidação do lubrificante, retardando o espessamento do óleo e a formação de compostos ácidos, borras, lodos e vernizes. O mecanismo de funcionamento dos aditivos antioxidantes acontece com a decomposição dos peróxidos e inibição dos radicais livres.

Anticorrosivos:

São utilizados para prevenir o ataque dos contaminantes corrosivos do lubrificante às superfícies metálicas do equipamento, principalmente em mancais. Seu mecanismo de funcionamento é a neutralização dos materiais ácidos e formação de uma película química sobre as superfícies metálicas.

Antiespumantes:

São utilizados para prevenir e reduzir a formação de espuma estável. Atua na redução da tensão interfacial ar-óleo, dificultando a formação de bolhas (tendência a espumar) e enfraquecendo a película que será as bolhas de ar do ar ambiente (estabilidade da espuma).

Agentes de extrema pressão:

São utilizados para reduzir o desgaste das partes metálicas. Funciona com a ação reativa dos reagentes de extrema pressão sobre as superfícies metálicas sob condições de alta temperatura, gerando compostos de baixo coeficientes de fricção e alta temperatura de fusão.

Aumentadores do índice de viscosidade:

São utilizados para diminuir a variação de viscosidade do lubrificante com a temperatura, elevando desta forma, o índice de viscosidade do óleo acabado.

São polímeros, isto é, compostos de alto peso molecular que formam estruturas tipo “novelo de lã” no lubrificante e à medida que a temperatura se eleva, a solubilidade do óleo aumenta inchando esses novelos, que por sua vez, dificultam o escoamento do fluído, elevando a viscosidade do óleo acabado nas temperaturas mais altas.

Lubrificantes e seus aditivos

Outros tipos de aditivos

Biocidas: os Biocidas são “conservantes” e atuam de diversas formas, matando os micro-organismos e inibindo o crescimento microbiano.

Emulsificantes: permitir a formação de emulsão estável entre água e óleo nas quais os óleos mantem as suas propriedades e água atua como meio de refrigeração.

Agentes de adesividade: dificulta o deslizamento das camadas do fluido lubrificante, reduzindo o escoamento do óleo e mantendo o lubrificante com uma aderência adequada.

Modificadores de fricção: diminui o coeficiente de atrito entre as peças em movimento, reduzindo o desgaste, o consumo de energia, a geração de calor, e a ocorrência de ruídos durante o funcionamento do equipamento.

Agentes de oleosidade: eleva a resistência do filme dos óleos, evitando assim o contato metal com metal, com isso reduz o desgaste.

Antiferrugem: previne a formação de ferrugem nas partes ferrosas do equipamento, principalmente quando existe o contato com a água ou pela presença de umidade ácida ou salina.

Demulsificantes: evita a formação de emulsões (mistura líquida heterogênea de duas ou mais fases) ou age como um separador dessas emulsões de forma rápida.

Abaixador do ponto de fluidez: abaixa o ponto de fluidez (temperatura na qual o óleo deixa de fluir), garantindo a fluidez do lubrificante em baixas temperaturas.

Corantes: altera a cor visual do lubrificante, com isso possibilita a identificação visual do mesmo.

Aromatizantes: devido aos odores muitas vezes desagradáveis nos lubrificantes, é usado os aromatizantes para melhorar a aceitação das pessoas que tem contato com o produto.

Antimanchas: evita coloração anormal nas superfícies metálicas.

Atenção:

O fabricante de lubrificantes já fornece o óleo com os níveis de aditivos corretos e balanceados.

Níveis de aditivos nos lubrificantes

Nos lubrificantes industriais temos uma faixa de 2% a 10% de aditivos;

Nas graxas temos uma faixa de 5% a 20% de aditivos;

Nos lubrificantes de motores temos uma faixa de 7% a 30% de aditivos.

Quer saber mais sobre os óleos lubrificantes? Vejam no link abaixo uma abordagem sobre outras características dos óleos lubrificantes, boa leitura e dúvidas entre em contato conosco.

Óleos lubrificantes e suas aplicações

Comentários

2 respostas para “Aditivos adicionados aos lubrificantes”

  1. Elisio Caetano Paunde disse:

    Saudações

    Existe um aditivo que melhora as propriedades do oleo lubrificante após, usado numa maquina¬?

    • Luis Cyrino disse:

      Elisio se entendi seu questionamento, todo óleo lubrificante já tem em sua composição os aditivos necessários para cada tipo de aplicação. O que se deve fazer, em sistemas fechados por exemplo, é realizar seu acompanhamento através das análises de óleo para entender o nível de desgaste do próprio óleo e do equipamento e filtragens para eliminar impurezas e se for o caso completar com óleo novo ou fazer a sua troca completa. Não é recomendado nenhum tipo de aditivação em óleos usados e sim sua troca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *