Manutenção Baseada em Horas de Uso

Luis Cyrino
12 out 2021
0
174

Manutenção Baseada em Horas de Uso

Manutenção Baseada em Horas de Uso é uma técnica que utiliza métricas e registros de um item para determinar seu tempo de uso.  Assim é possível planejar uma manutenção mais assertiva que evite tanto a falta quanto o excesso de reparos.

Quando uma estratégia não é definida, intervenções preventivas e corretivas podem resultar em um excesso de substituições e reparos desnecessários.

Ou seja, ao invés de melhorar, aumentam o risco de quebra dos equipamentos e geram prejuízos à empresa. Descubra a seguir como a UBM funciona, suas vantagens e o passo a passo para aplicá-la. Boa leitura!

Qual é a diferença?

Você provavelmente já ouviu falar de outros tipos de “manutenção baseada”, como a Manutenção Baseada em Falhas (FBM) e a Manutenção Baseada em Condições (CBM). Apesar das siglas semelhantes, essas duas diferem bastante entre si e ainda mais quando comparadas à Manutenção Baseada em Horas de Uso.

Enquanto a UBM é um tipo de manutenção Preventiva ou Preditiva que considera o tempo de uso do ativo para programar as atividades de manutenção, a FBM se enquadra na manutenção corretiva e realiza reparos após as falhas.

Já a CBM, também relacionada à manutenção preventiva, analisa a condição atual do equipamento. E compara estes critérios predeterminados, para elaborar o plano de manutenção.

Essas são as principais diferenças entre as três abordagens. Para ilustrar melhor as especialidades de cada uma no dia a dia da manutenção, a TRACTIAN preparou um fluxograma inspirado nos principais modelos de gestão da manutenção – RCM, TPM, TQMain e EUT, de acordo com a Universidade de Tecnologia de Eindhoven.

Para escolher a melhor estratégia, é preciso primeiramente analisar se os benefícios oferecidos por ela superam seus custos. Se os ativos em questão são antigos e com indicadores preditivos otimizáveis, a UBM é a mais recomendada.

Já para os ativos que não envelhecem e têm um indicador preditivo, a opção mais eficiente é implementar a CBM por meio do monitoramento contínuo das máquinas.

Quer saber mais sobre os diferentes tipos de manutenção, as vantagens e desvantagens de cada um? Confira este artigo TRACTIAN.

Como funciona a Manutenção Baseada em Horas de Uso?

Ao invés de estabelecer estratégias preventivas muitas vezes aleatórias baseadas no calendário do setor, a UBM programa atividades com base na utilização real do ativo.

Para isso, considera índices como o uso médio diário, a data de vencimento estabelecida e o diagnóstico realizado pelo operador ou pelo sistema de monitoramento online adotado. Entre as métricas utilizadas por essa abordagem para programar as intervenções, podemos destacar:

  • Temperatura Limite;
  • Tempo Limite de Parada;
  • Tempo de Utilização do Equipamento.

Com esses dados, coletados, analisados automaticamente e em tempo real por um software de monitoramento online, é possível desenhar um plano de manutenção mais assertivo.

Além disso, ao aliar a Manutenção Baseada em Horas de Uso a uma tecnologia de monitoramento de ativos, não apenas a leitura do funcionamento dos equipamentos se torna mais confiável, como o agendamento de ordens de serviço também se torna mais automático e eficiente.

Por meio da ciência de dados e da inteligência artificial, ferramentas como o sistema TRACTIAN escutam as máquinas em tempo real e transformam as informações sobre o uso do ativo em diagnósticos e insights inteligentes, facilitando a definição de estratégias de UBM no plano.

Confira abaixo os 7 principais benefícios da UBM junto a um sistema de monitoramento online de ativos:

Passo a passo

De nada adianta entender a teoria e não saber como colocá-la em prática. Mas não se preocupe: a TRACTIAN preparou um manual simples e objetivo para guiar, a implementação da Manutenção Baseada em Horas de Uso no seu plano. Confira:

  1. Identifique os ativos críticos

Equipamentos diferentes demandam estratégias distintas. Para definir o melhor tipo de manutenção para cada máquina, o gestor deve sempre analisá-las de acordo com sua criticidade. Devem receber os sensores aqueles ativos que forem mais críticos à operação.

  1. Defina os limites do sensor

Os limites de uso são definidos a partir do tipo de máquina. Assim, são considerados o histórico de ativos semelhantes ou as recomendações dos fornecedores.

Cadastre no sistema de monitoramento todos os detalhes sobre o ativo em questão – modelo, classe, potência, temperatura máxima, componentes.

A tecnologia usará essas informações para encontrar falhas potenciais em cada máquina monitorada.

  1. Atualize a condição do ativo no sistema

A UBM depende dos registros sobre o uso do equipamento, por isso a importância de sempre atualizar o sistema.

Nesse caso, quando realizada qualquer atividade de manutenção em um ativo, ela deve ser registrada no software CMMS (Sistema Computadorizado de Gerenciamento De Manutenção).

Todas as leituras realizadas nas máquinas entram no sistema. Com a funcionalidade CMMS, elas são registradas de uma maneira, e armazenadas em relatórios operacionais para averiguação.

Os dados coletados são usados não só para prevenir falhas inesperadas, mas também para gerar insights valiosos para o time de manutenção.

  1. Analise os dados e resultados

Implementar a Manutenção Baseada em Horas de Uso é um processo contínuo, no qual devem ser sempre pensadas e realizadas melhorias.

Para que seja possível aprimorar o plano de manutenção e as estratégias de aumento da disponibilidade dos ativos, são fundamentais a revisão dos dados coletados pela ferramenta e a realização de avaliações periódicas.

Se você leu até aqui, já percebeu o quão potente a UBM pode ser para o gestor de manutenção. Mas, não se engane: sempre dá para melhorar.

No caso da Manutenção Baseada em Horas de Uso, uma estratégia excelente para otimizá-la e torná-la ainda mais assertiva é a implementação de um bom sistema de monitoramento online de equipamentos.

Quanto a isso, saiba como a TRACTIAN pode pode facilitar o trabalho do time de Manutenção de forma rápida e acessível.

 

Escrito por: TRACTIAN – Monitoramento de Ativos

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *