Padrão das falhas

Luis Cyrino
2 dez 2018
0
423

Padrão das falhas

Padrão das falhas é uma referência que podemos dar a uma sequência de vários eventos ocorridos em máquinas e equipamentos. Esses eventos de falhas são entendidos como iguais ou semelhantes no seu modo de falha, ou seja, acontecem da mesma maneira.

Não podemos confundir com o que mencionamos em outra matéria a respeito do mecanismo das falhas. No caso do padrão de falhas, é como se um mecanismo de como acontece uma falha tenha uma mesma forma de acontecer.

Ou seja, o mecanismo de uma falha pode ser identificado com um certo modo de acontecer que caracterizaria um padrão dessa falha.

Mecanismo de uma falha pode ou não caracterizar um padrão

Como vimos em outra matéria, mecanismo de uma falha é todo processo no qual se pode determinar, por meio de uma análise de falhas, um fato determinante ou uma série deles e que podem ser ou não dependentes entre si.

No caso do mecanismo das falhas, podemos dizer que é o modo de como algum tipo de deficiência ocorre dando origem a uma falha de uma peça, componente ou sistema.

As falhas normalmente são distintas

Segundo a metodologia RCM – Realibility Centered Maintenance, um dos principais conceitos é que toda falha em máquinas e equipamentos são distintas, diferentes. Dessa forma existem muitas formas de como elas acontecem, ou seja, o mecanismo de uma falha depende de vários fatores distintos.

Fatores esses que podem ser relacionados com o modo de operação, manutenção, tipo de sistema, ambiente operacional, entre outros.

O padrão das falhas

Via de regra todas as falhas e como elas acontecem nas máquinas e equipamentos não tem um padrão específico conhecido.

Mas ao tomar conhecimento de certas características de como essas falhas acontecem, podemos chegar a identificação de um padrão. Ao se chegar nessa conclusão, a tomada de decisão das estratégias de manutenção será mais assertiva.

Características do padrão das falhas

Como já mencionado acima e na matéria sobre o mecanismo das falhas, as características do padrão é relacionado com a curva da banheira. Podemos, portanto, relacionar esse mecanismo e seu padrão de falhas com as 3 fases da curva da banheira:

  1. Mortalidade infantil;
  2. Período de vida útil e;
  3. Período de desgaste.

As características do padrão de falhas

Primeiramente podemos classificar essas características dentro das 3 fases da curva da banheira:

Fase da mortalidade infantil: Falha de desgaste ou quebras dominadas por membros “fracos” relacionados a problemas como defeitos de fabricação e erros de instalação / manutenção / inicialização.

Período de vida útil: Falhas aleatórias, dominada por falhas ocasionais causadas por tensões súbitas, condições extremas, erros humanos aleatórios. São falhas que não são previsíveis pelo tempo durante a “vida útil” da máquina ou equipamento.

Período de desgaste: São falha de desgaste, dominada por problemas decorrentes do final de vida útil da máquina ou equipamento.

Baseado nesse entendimento das falhas e sua relação com a curva da banheira, podemos dizer que os modos de falha de máquinas e equipamentos podem exibir certos padrões diferentes. E identificar esses padrões é muito importante para determinar as estratégias de manutenção apropriadas.

As várias literaturas (Nowlan / Heap 1978, Moubray 1997, e Smith 1993) nos sugerem que existem seis padrões de falha diferentes, como podemos ver a seguir:

Padrão A – Curva da banheira inicial:

Mortalidade infantil, uma taxa de falhas constante ou crescente, seguida por uma zona de desgaste distinta.

Padrão B – Desgaste tradicional:

Taxa de falha constante ou lenta, seguida por uma zona de desgaste distinta.

Padrão C – Ascensão gradual sem zona de desgaste distinta:

Aumentando gradualmente a taxa de falhas, mas nenhuma zona de desgaste distinta.

Padrão D – Aumento inicial com uma desaceleração – Falha Aleatória

Baixa taxa de falhas inicial, depois um aumento rápido para uma probabilidade de falha constante.

Padrão E – Falha aleatória:

Probabilidade de uma taxa de falha constante em todos os períodos operacionais.

Padrão F – Mortalidade infantil:

Alta mortalidade infantil inicial seguida por uma taxa decrescente e que se torna constante.

As falhas com padrão A-B-C (11%) se caracterizam por falhas relacionadas com a idade da máquina ou equipamento. Já as falhas com padrão D-E-F (89%) estão relacionadas como aleatórias, casuais.

Quando se começa a entender como a máquina ou um equipamento falha e/ou quebra e se consegue determinar um padrão desse acontecimento, é que se faz necessária uma compreensão das estratégias de manutenção e sua relação com as características dessa falha.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *