Pirâmide de Bird e sua teoria

Luis Cyrino
13 jun 2017
0
18323

Pirâmide de Bird

Pirâmide de Bird – Seu idealizador Frank Bird, foi contratado pela Companhia Siderúrgica Lukens de Coatesville, Pennsylvania, no período de 1950-1968, onde foi o gestor dos programas de segurança e saúde.

Foi nessa empresa que Bird pode atualizar a *Relação ou lei de Heinrich, através do seu trabalho “Damage Control – Controle de danos” onde analisou mais de 90 mil acidentes durante o período de 1959 a 1966.

A partir daí Frank Bird desenvolveu a proporção 1:100:500, ou seja, uma lesão incapacitante para 100 lesões leves e 500 acidentes com danos a propriedade, parte desse estudo compreendeu 4 mil horas de entrevistas com supervisores de linha.

*Relação ou lei de Heinrich

Um achado empírico do livro de 1931 de Herbert William Heinrich tornou-se conhecida como Lei de Heinrich: que em um ambiente de trabalho, para cada acidente que provoca um ferimento grave, há 29 acidentes que causam ferimentos ligeiros e 300 acidentes que não causam lesões. 

Como muitos acidentes têm causas de raiz comum, abordando os acidentes mais comuns que não causam lesões pode prevenir acidentes causadores de acidentes.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Herbert_William_Heinrich

O estudo seguinte de Frank Bird

Frank Bird analisou 1.752.498 acidentes reportados por 297 empresas que colaboraram, representando 21 grupos industriais diferentes, empregando mais de 1.750.000 trabalhadores que atendiam mais de 3 bilhões de horas durante o estudo.

Ele relacionou os acidentes nessas empresas, classificados de acordo com o nível de severidade, bem como sua frequência de ocorrência.

Parte do estudo como relatado anteriormente, envolveu 4.000 horas de entrevistas confidenciais por supervisores treinados sobre a ocorrência de incidentes que em circunstâncias ligeiramente diferentes poderiam resultar em ferimentos ou danos materiais.

A análise dessas entrevistas indicou uma proporção de aproximadamente 600 incidentes por cada lesão grave relatada.

Com essa pesquisa Frank Bird teve uma nova proporção, hoje conhecida como pirâmide de Bird, onde há uma lesão incapacitante ou grave, para 10 lesões leves, para 30 acidentes com danos a propriedade, para 600 incidentes, relação (1:10:30:600).

A interpretação desta pirâmide de Bird é a seguinte: estatisticamente, existe uma distribuição natural dos acidentes de acordo com sua gravidade e o impacto geral na organização, vejam a figura abaixo:

 

Importância dos estudos de Frank Bird

O que este estudo trouxe à tona é que lesões importantes/graves são esporádicas, então devemos tomar medidas nos eventos mais recorrentes e menos comprometedores para diminuir a chance de perda total de acidentes decorrentes.

Com certeza os resultados desses estudos de Bird trouxeram um grande alento nas organizações onde se poderia “prever” a partir desses dados, possíveis causas danosas em todos os sentidos.

Com isso se poderia a partir dessa teoria, atuar de várias maneiras para coibir essas possíveis causas como:

  1. Uma atuação em conjunto, onde cada funcionário, informando os problemas (incidentes), ao seu supervisor imediato, e este procurando junto aos órgãos responsáveis, a solução do problema, isto os levará ao domínio da situação.
  2. Trabalho de conscientização de estarem trabalhando na base da PIRÂMIDE, eliminando as causas dos acidentes.
  3. A capacidade de elaborar planos realistas e favoráveis, para evitar frustrações desnecessárias.
  4. A manutenção de visões pessoais e organizacionais positivas e confiantes na superação das dificuldades.
  5. O desenvolvimento constante das habilidades de comunicação e resolução de problemas, e a capacidade de gerenciar fatores de risco.

Veja na matéria “Etiqueta de segurança“, uma ferramenta poderosa que contribui para a eliminação de possíveis causas de acidentes e/ou incidentes.

Considerações de Frank Bird

Frank Bird continua, como consideramos a relação, observamos que foram notificados 30 acidentes de danos materiais por cada lesão grave ou incapacitante. Os incidentes de danos causados na propriedade custam bilhões de dólares por ano e, no entanto, eles são frequentemente mal mencionados e chamados de “acidentes próximos”.

Ironicamente, essa linha de pensamento reconhece o fato de que cada situação de danos à propriedade provavelmente poderia ter resultado em ferimentos pessoais. Remanescente de treinamento anterior e equívocos que levaram os supervisores a relacionar o termo “acidente” apenas com uma lesão.

Conclusão desse estudo

Importante ressaltar que o estudo de proporção era de um certo grupo de organizações em um determinado momento. Não é necessariamente que a proporção seja idêntica para qualquer grupo ou organização profissional específica.

Essa não é sua intenção baseado nesse estudo, o ponto significativo e que vale ressaltar é que as lesões maiores são eventos raros e que muitas oportunidades são oferecidas pelos eventos mais frequentes e menos graves para tomar medidas para evitar que ocorram grandes perdas.

Líderes de segurança também enfatizaram que essas ações são mais eficazes quando direcionadas a incidentes e acidentes menores com alto potencial de perda futura.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *