Ativos de classe mundial

Luis Cyrino
17 jan 2019
0
260

Ativos de classe mundial

Ativos de classe mundial é o que muitas empresas almejam, mas ao que me parece ainda tem uma caminhada árdua para conseguir. Alcançar a confiabilidade de ativos de classe mundial requer uma estrutura ou melhor dizendo, um nível de estratégias que corroborem para o alcance desse objetivo.

Independente do ramo de negócio, quer seja ele industrial ou do agronegócio e todas as suas ramificações, é necessário desenvolver algumas estratégias voltadas para a manutenção dos seus ativos.

O alto escalão administrativo das empresas devem de uma vez por todas colocar as áreas de Manutenção como parte estratégica dos seus negócios. Negligenciar as áreas de Manutenção já deu mostras mais que suficientes que é um verdadeiro desastre anunciado para os resultados do negócio.

Podemos elencar algumas estratégias simples e que certamente trarão ótimos resultados a curto, médio e longo prazo.

  1. Programa de boas práticas e melhoria contínua

Isso é simples de ser implantado na empresa, basta esse tipo de programa ter o consenso de todos os níveis da organização. É como a mentalidade que se busca na implantação da metodologia da TPM, onde as pessoas são a mola mestre para o sucesso do programa.

As boas práticas são iniciativas de multiplicar os métodos e processos que estão dando certo para todo tipo de atividade, inclusive na Manutenção.

As coisas não devem ser feitas cada um à sua maneira, sempre podemos identificar as melhores práticas e padroniza-las. E melhor ainda, podemos aplicar a elas algum tipo de melhoria em busca da sua excelência.

Aliado as boas práticas podemos incluir um programa de melhoria contínua, onde toda a iniciativa de melhorar o desempenho dos ativos seja avaliada por meio de grupos de gestão dessas melhorias.

E melhorar esse desempenho pode vir com ideias nos métodos ou processos de trabalho, bem como melhorias no sistema das máquinas e equipamentos.

  1. Manutenção como parte das estratégias

As áreas da manutenção devem fazer parte do foco executivo da empresa, ganhar poder de autoridade e assumir as responsabilidades para realizar mudanças.

Na estrutura organizacional, a gestão da Manutenção precisa ter mais autonomia para alcançar maturidade e alto desempenho. Acho inconcebível por exemplo uma área de Manutenção responder diretamente a áreas que deveriam ser seus pares.

Dentro das empresas não pode acontecer conflitos de interesses entre uma área e outra, isso é caminhar de lado como um caranguejo. O consenso sempre deve prevalecer em horas das divergências e sempre com foco no resultado final e não para o resultado isolado de uma ou outra área.

  1. Mobilização de todos

Com toda a aceitação e principalmente apoio da alta direção em tornar a Manutenção como parte estratégica da empresa, é necessário como sempre o engajamento de todos os envolvidos. Se a empresa tem outras unidades de negócios, a ideia é fazer isso em conjunto e com apoio irrestrito de todas as áreas junto à Manutenção.

É como a ideia de uma corrida de revezamento 4 por 4, todos dependem uns dos outros para vencer. Baseado nesse princípio, todos tem as mesmas responsabilidades e tratamentos onde não existe quem é o melhor e sim, ou todos ganham ou perdem.

  1. Manutenção em ação

Todo esse entendimento e implementação em curso, agora é a hora da gestão da Manutenção colocar em prática as suas estratégias. E com certeza essa mudança de visão e a prática não vai acontecer rapidamente, se faz necessário um bom planejamento.

É importante estabelecer dentre as ações para as novas estratégias, que se estabeleça os resultados esperados a curto, médio e longo prazo, tudo ao seu devido tempo. É entender o estágio atual da área e estabelecer metas factíveis para esses períodos, de modo a fazer um planejamento efetivo e responsável.

O que esperar com essas mudanças?

É obvio que com todas essas iniciativas de buscar uma Manutenção de classe mundial, a confiabilidade dos ativos é a parte central desse objetivo.

Com a combinação dos resultados de curto a longo prazo, podemos ter a visão de uma empresa com maior produtividade, custos adequados e principalmente maior visibilidade e valor junto aos seus clientes e potenciais clientes.

Ao investir na Manutenção como área estratégica, podemos desenvolver iniciativas para o alcance da confiabilidade dos ativos. Fortalecendo a gestão da Manutenção com mais recursos e autonomia, podemos alcançar empresas de alto desempenho. Isso de forma a sustentar a capacidade produtiva de seu parque de máquinas e equipamentos e estender o ciclo de vida dos mesmos.

Uma ajuda externa as vezes é necessária

Grandes mudanças só fazem quem deseja obter grandes resultados e para isso as vezes é necessária uma ajuda externa. Todo esse planejamento desde o estágio atual identificado e as metas de onde se quer chegar pode vir aliado a uma Consultoria de serviços seguida de uma Assessoria e Treinamentos na implementação das ações.

O Manutenção em foco tem essa experiência para contribuir com essas mudanças, ou seja, se quer levar a Manutenção da sua empresa para um outro patamar, podemos ajudar.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *