Definição de TAG de máquinas e equipamentos

Luis Cyrino
11 jun 2016
11
20997

Definição de Tag – Máquinas e Equipamentos

Definição da palavra “Tag”

Tag – Uma das traduções dessa palavra significa “etiqueta” que normalmente se usa para fazer uma identificação de alguma coisa, portanto quando falamos em fazer um tagueamento de máquinas e equipamentos nada mais é do que fazer uma etiqueta de identificação para cada um deles.

É uma forma importante de fazer cadastro e rastreamento de máquinas e equipamentos quanto à manutenção desses ativos. Podemos dizer em outras palavras que o tagueamento nada mais é que a emissão de uma identidade para cada máquina e equipamento e sua localização na planta industrial.

Baseado nessas informações é que entendemos que na Manutenção, esse tipo de identificação ou tagueamento é a base para a gestão de máquinas e equipamentos.

Principalmente pela área do PCM que por conta do uso de um software de manutenção, pode fazer um controle mais apurado de todas as intervenções feitas pelo setor de serviços da manutenção, planejamento dos serviços, geração de indicadores mais confiáveis por máquina, equipamento, conjuntos ou subconjuntos.

Norma de tagueamento

Existe um norma internacional de tagueamento, a Norma ISA 5.1 (International Society for Measurement and Control) que estabelece uma padronização para designar os instrumentos e sistemas de instrumentação usados para medição e controle em equipamentos e processos industriais.

Mas que no caso de máquinas e equipamentos industriais que trata essa matéria, normalmente cada empresa procura estabelecer seu padrão de tagueamento (níveis). São definidas de acordo com alguns critérios podendo ser conforme seus padrões de qualidade, funcionalidade e porte principalmente.

Nota: No Brasil a norma da ABNT – NBR 8190 que trata do mesmo assunto sobre tagueamento, foi cancelada em 02/12/2010, como não foi substituída ainda é usada para sua funcionalidade específica.

 

Fazendo o tagueamento

Vamos definir um padrão nessa matéria, ou seja, uma diferenciação de tagueamento para dois casos, um que trata especificamente de máquinas de produção e outro que trata dos equipamentos como sendo todos os recursos para realizar urna determinada tarefa produtiva que seja ligada direta ou indiretamente à produção.

Tag de Máquinas

Nesse exemplo vamos tratar de máquinas de três processos: Extrusão, Termoformagem e Impressão, cada qual do mesmo fabricante o que facilita a identificação. Nesse exemplo usaremos 6 caracteres: XXX-XX (tipo de máquina – número sequencial).

Extrusora – EXT (EXT-01; EXT-02; EXT-03…)

Termoformadora – TMF (TMF-01; TMF-02; TMF-03…)

Impressora – IMP (IMP-01; IMP-02; IMP-03…)


Tag de Equipamentos

Quanto aos equipamentos como exemplo, bombas de vácuo (área da Impressão), vibradores (área da Extrusão) e compressores de ar (área da Utilidades), sua identificação basicamente é formado pelo nome da área, tipo do equipamento e um número sequencial. Nesse exemplo usaremos 9 caracteres.

XXX-XX-XX (área – tipo equipamento – número sequencial).

Bombas de vácuo – BV (IMP-BV-01; IMP-BV-02; IMP-BV-03…)

Vibradores – VB (EXT-VB-01; EXT-VB-02; EXT-VB-03…)

Compressores de ar – CP (UTL-CP-01; UTL-CP-02; UTL-CP-03…)

Basicamente cada empresa cria suas normas de tagueamento de máquinas e equipamentos como dito anteriormente, o importante é que seja feito esse trabalho para que o controle de manutenção seja bem mais eficiente.

Deixe seu comentário, sua opinião é muito importante.

Comentários

11 respostas para “Definição de TAG de máquinas e equipamentos”

  1. A importância dos “TAG NAME”, é como o nascimento de uma criança, vamos ao cartório e registramos com seu nome e sobrenome de família.
    Os equipamentos são semelhantes quando recebemos uma planta nova ou equipamento ele deve ser taqueado (etiquetado) e partir deste momento todo controle da sua operação será registrado como uma carteira de vacinação.
    Por exemplo Motor do Filtro Nº1 passa a ser chamado de MT-FI-01, no seu prontuário teremos todas suas características elétricas e mecânicas, sua rotina de manutenções preditivas, preventivas e corretivas, até seu envelhecimento “meia vida”, momento da sua substituição.
    Todos os equipamentos devem ter um Tag!

  2. Adeildo disse:

    Boa colocação ,mas acrescento mais área. Tipo fit 001 area 600. TT 001 área 600. e por ai vai.

  3. A Tag não deve conter elementos que podem mudar, mas apenas o tipo de equipamento + sequencial. No exeplo que foi dado, sugerem a inclusão do sistema na codificação a utilizar na Tag, mas se o equipamento muda de sistema tem que se fazer nova Tag.

    • Luis Cyrino disse:

      Verdade José, isso pode acontecer e digamos é bastante comum. Por isso mesmo foi mencionado na matéria que essa definição cabe a cada tipo de empresa ao fazer o tagueamento. No exemplo dado de equipamento fica claro que são itens exclusivos daquelas áreas (impressão, extrusão e utilidades) e que não tem a possibilidade de mudança.

  4. Prezados a questão de identificação de TAG é um pouco mais complexa. Para identificar ativos, seguindo a norma de ABNT 55.000 Gestão de Ativos há que ter rastreabilidade do Ativo ou Bem ou Equipamento. Então devemos ter 2 identificações:
    – TAG )Etiqueta): Posição Operacional na Localização Operacional. É como se fosse o CEP (Código de Endereçamento postal do Ativo. Não deve conter dados especificos do ativo, como fabricante. modelo etc. Apenas a identificação de Tipo, local e sequencial do local, Como por exemplo o TAG B-210-01 = Bomba 01 da área/localização ou processo 210.
    – CE ou BP: Código do Equipamento ou Ativo ou Bem `Patrimonial: Esse sim identifica o Tipo do equipamento, sua numeração sequencial que não muda, nasce com ele e morre com ele. Tal qual o CPF (Código de Pessoa Física) de uma pessoa.

    Assim podemos través do software realizar a troca de um Bem para outro TAG ou posição operaciona. Tendo rastreabilidade de OS´s/Serviços pelo endereço (TAG), pelo Bem (BP/CE), controlado por software ou até planilhas etc. Estou disponível para esclarecimentos. Um abraço. William Dantas

  5. Nilson J. Guiselini disse:

    O TAG identifica a função processual que o conjunto executa ( um ou mais equipamentos realizando um trabalho). Os equipamentos que executam a função podem ser substituídos, sem prejuízo para função que executam dentro do processo.
    Temos visto que, em alguns casos usam o conceito de TAG para a identificação individual do equipamento, o que gera confusão. Esta situação é originada pela falta de uma definição clara de CONCEITO.

  6. Em minha empresa trabalhamos com óleos e outros agentes corrosivos, e preciso identificar os equipamentos (bombas, instrumentação, valvulas, motores , etc.) os “papeis” comuns serão atacados quimicamente e nao durarão um mes em meu processo, alguma sugestão de como fazer um tagueamento (fisico) adequado?

  7. PATRICK disse:

    Tenho uma sequencia de 4 equipamentos (ex: bombas centrífugas) que estão numa casa de bomba, uma ao lado da outra e todas bombeando o mesmo fluido. Existe alguma regra para numeração delas? É da direita para esquerda?

    • Luis Cyrino disse:

      Muitas empresas adotam uma sistemática de tagueamento própria baseado em normas que sugerem uma hierarquia de posições em diversos níveis como Planta, Área, Setor, Grupo e equipamentos entre outros. A partir disso se cria uma nomenclatura com letras e números. Sugiro que você leia a norma internacional ISA 5.1 ou ABNT NBR 8190 que trata desse tema. Caso na sua empresa não se aplique essas normas, nesse caso pode fazer um tagueamento simples como mostra o artigo em questão.

  8. BARBARA KAMINSKI disse:

    Parabéns pelo artigo, parece simples mas tem seus detalhes
    Já vi a aplicação do mesmo código de centro de custo e não achei uma boa experiência para locais de instalação. Outra questão é explicar que são necessários 2 códigos onde não havia nenhum, no caso de uma implantação de tagueamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *