Mapa das 52 semanas

Luis Cyrino
26 set 2018
0
804

Mapa das 52 semanas

Mapa das 52 semanas é aquele planejamento macro anual (plano mestre) da Manutenção que contempla todas as paradas de preventiva do período para máquinas e equipamentos da empresa. Esse mapa, como tal, deve conter enumerado as semanas do ano e o período onde cada máquina ou equipamento sofrerá a intervenção.

Esses períodos são definidos conforme a necessidade e porte do ativo, podendo ser entre outros como mensal, trimestral, semestral ou anual.

Normalmente esse planejamento conta, além da Manutenção, com a participação principalmente de setores chave da empresa como PPCP – Planejamento, Programação e Controle de Produção e da Produção, isso em algum momento da sua elaboração.

Isso porque essas três áreas precisam entrar em entendimento para que o planejamento seja cumprido sem muitos contratempos.

Mais do que um mapa das 52 semanas

Quando chega o tempo de elaborar o mapa das 52 semanas, considero que isso é muito mais do que se determinar este ou aquele ativo que fará parte desse plano. É aquele momento onde a gestão de Manutenção, PPCM e em alguns momentos, a equipe deve participar desse trabalho.

Nesse período serão tratados todo o planejamento da Manutenção para o ano seguinte, não só quais máquinas ou equipamentos farão suas preventivas.

Alguém pode me questionar, “mas Luis o mapa das 52 semanas não trata das preventivas? ” Sim, é isso mesmo, mas para isso temos que considerar que a empresa conta com um parque de máquinas que nem todas elas farão parte desse plano.

E as que não fizerem parte desse plano, fazemos o que? Isso tudo deve ser definido nesse planejamento, ou seja, todo parque de máquinas e equipamentos terão algum tipo de estratégias para sua manutenção.

O que considerar na elaboração do Mapa das 52 semanas?

Por essas e outras, temos muitas coisas a considerar na elaboração do mapa das 52 semanas. Ou seja, não é simplesmente escolher essa ou aquela máquina ou equipamento e pronto.

Existem alguns itens e entendimentos pelos quais precisamos considerar para que esse planejamento seja assertivo. Vamos relatar alguns a seguir que considero importantes para que isso seja realizado com sucesso:

Criticidade de máquinas e equipamentos

Como visto em outra matéria, temos a classificação ABC com a priorização das máquinas e equipamentos (um método adaptado pela JIPM) que se constituem num fator decisivo para a escolha de uma política de manutenção adequada.

Avaliação essa que determina o grau de criticidade das máquinas e equipamento em relação ao processo produtivo. Uma vez definido a classificação de todos os ativos podemos então decidir as estratégias adequadas para cada grupo de máquinas ou equipamentos.

Planos de manutenção

Antes mesmo de elaborar o mapa das 52 semanas, temos que ter em mãos os planos de manutenção de cada ativo. Independentemente de esse ativo ser classificado com criticidade A, B ou C, o mesmo vai precisar de manutenção e para isso ser definido a estratégia que este será inserido.

Os planos de manutenção devem conter todas as atividades pertinentes para cada grupo de máquinas ou equipamentos de mesmas características (modelo, tipo, fabricante, etc.). Isso inclui também os planos de lubrificação e tudo que está relacionado com essas atividades, cruciais por sinal.

Recursos para Manutenção

Nada mais justo do que ficar claro quais os recursos em geral que a Manutenção poderá contar para cumprir esse planejamento. E são vários os tipos de recursos que precisam ser entendidos e avaliados pela gestão. É um dos itens que que interferem sobremaneira na eficácia do cumprimento desse mapa das 52 semanas.

Os tipos de recursos a meu ver que precisam ser avaliados são pelo menos dois:

Recursos financeiros:

Talvez seja o item que mais pode trazer dificuldades para a gestão da Manutenção, pois tudo depende de recursos financeiros. Isso deve ser entendido com a alta direção e sua prospecção de negócios para o ano seguinte.

A Manutenção deve ter entendido quais recursos financeiros será disponibilizado para cada centro de custo das máquinas e equipamentos. A partir desse entendimento é que podemos definir toda a estratégia a ser usada para cada ativo.

Mão de obra:

Toda estratégia da manutenção de máquinas e equipamentos também está ligada aos recursos de mão de obra. Entender como são alocados todos esses recursos é importante para compor esse planejamento. Ter uma equipe adequada e com conhecimentos e capacitação de forma homogênea faz toda a diferença.

Conclusão

A elaboração do mapa das 52 semanas é uma das boas práticas da Manutenção e para sua eficácia são necessários esses cuidados. As políticas das estratégias devem ser bem definidas para cada ativo ou grupo de ativos.

Qual máquina ou equipamento deve ser tratado somente com corretivas, ou preventivas e preditivas, inspeções de rotina entre outras estratégias.

Toda essa definição faz parte da elaboração do mapa das 52 semanas, o que traz grande possibilidade de sucesso juntamente com as outras ações.

 

Nota: esse artigo foi produzido a partir de um pedido do meu colega da rede LinkedIn e leitor do Manutenção em foco,  Evergenio Fabian  e fico grato a ele por essa interação com o nosso blog. Você meu caro leitor se tiver sugestões de temas participe desse nosso trabalho de divulgação e faça a sua sugestão.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *