Projeto ruim, confiabilidade comprometida

Luis Cyrino
15 jan 2024
0
1267

Projeto ruim, confiabilidade comprometida

Um projeto para a Confiabilidade é um processo que descreve um conjunto de ferramentas que dão suporte para o alcance desse objetivo. Um projeto de um ativo deve garantir que as expectativas do cliente em termos de confiabilidade sejam atendidas.

Essa expectativa é para todo ciclo de vida desse ativo com desempenho dentro do especificado e custos adequados de manutenção. Nessa premissa é que neste artigo vamos falar sobre o sétimo princípio da Manutenção moderna.

Nesses princípios da Manutenção Moderna focados na preventiva, são elencados com base nos ‘Fundamentos da Engenharia de Manutenção’, descrito no manual da NAVSEA.

Esses conceitos formam uma linha evolutiva do pensamento da Engenharia de manutenção. Isso desde o conceito mais fundamental onde certas falhas acontecem sem dúvida alguma.

E na evolução desse pensamento, segue até o maior desafio para qualquer estratégia de manutenção: o estabelecimento de um processo de melhoria contínua.

Qualquer que seja as estratégias de manutenção, para serem confiáveis devem ser baseados em alguns princípios. Qualquer profissional de Manutenção que busca a Confiabilidade, deve entender esses princípios.

E mais que entender tais princípios, todos os envolvidos devem praticá-los. Neste artigo vamos falar sobre o sétimo princípio da manutenção moderna segundo esse manual.

Sétimo princípio: só fazer manutenção não aumenta a Confiabilidade

Na citação de Terrence O’Hanlon – “A manutenção só pode preservar a Confiabilidade e o desempenho inerentes ao projeto do seu equipamento”. O quão você acredita que essa citação faz sentido, é verdadeira?

Hoje em dia a Confiabilidade de um ativo é essencial para que seu propósito de desempenho seja alcançado sem interrupções não programadas.

Agora a pergunta que não quer calar: se a Confiabilidade ou o desempenho inerente de um ativo for ruim, fazer mais manutenção ajudará? Deixando de lado a questão operacional, fazer mais manutenção não tem como aumentar a Confiabilidade inerente de um projeto.

Alguém poderia questionar e dizer que fazendo as manutenções adequadas e no tempo certo evitaria paradas indesejáveis. E isso está correto sem dúvida, mas a questão desse princípio é outro. Como diz a citação desse princípio, a manutenção só poderá preservar/manter a Confiabilidade intrínseca do projeto.

O problema aqui é que podem existir falhas de projeto que implicariam numa Confiabilidade não adequada de uma máquina ou equipamento, essa é a questão. Ou seja, acontecem algumas paradas por problemas de falhas do projeto, que podem ser:

  • Mal dimensionamento de peças, componentes e itens diversos;
  • Sistemas de comando inadequados ou subdimensionados;
  • Sistemas de transmissão mal dimensionados;
  • Falhas no dimensionamento estrutural de partes da máquina;
  • E outras possíveis falhas de projeto que podem ser identificadas durante uso desse ativo.

Se qualquer tipo de falha de projeto que exista e não for identificada, fazer só as manutenções previsíveis não poderá aumentar a Confiabilidade desse ativo. É exatamente nessa premissa que o manual da Navsea enfatiza como um dos princípios da Manutenção moderna.

Manutenção moderna e a Confiabilidade de um projeto

Antes mesmo de entender como melhorar a confiabilidade de um projeto, é entender o que significa esse conceito.

Confiabilidade de projeto é um processo de Engenharia que engloba ferramentas e procedimentos para garantir que um produto atenda aos seus requisitos de Confiabilidade.

Tais requisitos devem ser totalmente definidos e incluir a função de um item, as condições de uso, bem como o nível de risco tolerado em momentos específicos.

Portanto entendemos que a Confiabilidade no projeto de uma máquina ou equipamento é parte essencial para que se cumpra seu objetivo principal.

Isso refere-se à capacidade desse ativo em executar as funções pretendidas de forma consistente e confiável durante um período especificado.

Como melhorar um projeto mal concebido?

Para melhorar a baixa Confiabilidade ou desempenho devido a um projeto ruim, a Engenharia de Manutenção precisa alterar esse projeto, simples assim. Cada vez que for identificado falhas e defeitos relacionadas a concepção de projeto, é preciso corrigir.

É óbvio que ninguém por mais que use uma abordagem mais proativa e mais eficiente na aquisição de um ativo, pode garantir que o projeto esteja perfeito.

Portanto para que plantas industriais sejam mais confiáveis, é necessário um programa eficaz de eliminação de falhas e defeitos de projeto de um ativo.

Confiabilidade no projeto, uma das premissas da Manutenção moderna

Um processo de projeto focado na Confiabilidade deve ser bem implementado para garantir que as expectativas do cliente sejam totalmente atendidas. Ou seja, que esse ativo desempenhe suas funções adequadamente e durante toda a sua vida útil.

Claro que vai existir intervenções de manutenção, mas que sejam com custos adequados durante todo seu ciclo de vida. E para tanto não é admissível paradas indesejáveis por conta de um projeto mal concebido acarretando falhas e defeitos.

A parte essencial desse ciclo de um ativo é incluir um processo de Confiabilidade desde o estágio inicial de um projeto. Não tenho um fonte confiável para afirmar, mas é comum dizer o alto custo de correção de um projeto ruim pós finalizado.

Para cada estágio subsequente do ciclo de vida de um ativo, essa corretiva pode ter custo várias vezes maior do que durante a concepção desse projeto. Ao seguir um processo de projeto para Confiabilidade, problemas podem ser encontrados nesse estágio. Fazer isso, as correções durante o projeto são bem menos custosas.

Conclusão

Entendo como assertivo essa afirmação do sétimo princípio da Manutenção moderna, de onde surgiu a metodologia RCM. Como posso melhorar a Confiabilidade de uma máquina ou equipamento, se existem falhas de projeto? Só fazendo as intervenções seguindo um plano de manutenção não vai corrigir isso.

A Engenharia de Manutenção precisa identificar se o ativo tem falhas de projeto e planejar como corrigir isso. Claro que o ideal é não existir falhas no projeto de um ativo, mas isso pode acontecer. E identificando isso pode-se dar um feedback para o fornecedor e exigir correções para futuras aquisições, ou perde o cliente.

 

Fonte bibliográfica:

https://www.wilderisk.co.uk/about/blog/what-is-design-for-reliability/

http://www.plant-maintenance.com/articles/SubmarineMaintenanceDataRCM.pdf

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *