Orçamento da Manutenção

Luis Cyrino
19 jul 2016
0
4495

Orçamento da Manutenção

Orçamento – A grande participação da Manutenção nos resultados das empresas nos dias atuais, exige avançados processos de gestão. Com isso se faz necessário responder adequadamente ao gerenciamento dos custos em geral, à crescente necessidade de produtividade e disponibilidade de máquinas e equipamentos.

Também responder ao enquadramento dos crescentes métodos de gestão, novas normas e procedimentos e várias certificações. Todas essas necessidades de adequações exigem uma alocação eficiente dos recursos financeiros.

O que considerar no orçamento?

Tais recursos que também incluem os sobressalentes, despesas com pessoal, possíveis contratos com terceiros e adequação da área de trabalho com materiais e equipamentos para o bom desempenho das funções da equipe.

Diante do exposto podemos afirmar com muita propriedade que a função da Manutenção não é simplesmente fazer reparos, consertar a máquina ou o equipamento que apresenta falhas. A Manutenção precisa sempre se antecipar à quebra, evitando assim os altos custos de parada prejudicando a produtividade e disponibilidade dos ativos da empresa.

Planejando o orçamento

Podemos definir como sendo o grande objetivo da área da Manutenção ao elaborar seu orçamento para o ano seguinte, a identificação dos principais elementos de custos envolvidos no processo de Manutenção.

Trazer para discussão as possibilidades de como poderia ser reduzido seus custos sem interferir negativamente na atuação da equipe nas necessidades de Manutenção. Baixar custos não pode afetar de maneira alguma a produtividade e a disponibilidade de máquinas e equipamentos.

Normalmente se discute também durante esse processo, as sugestões de melhorias do processo com incremento de possíveis investimentos para o ano seguinte, recursos que chamamos de Capex.

O que significa CAPEX?

Essa sigla vem da expressão inglesa (Capital Expenditure) que em português significa (Despesas de capital ou investimento em bens de capital). Destina seus recursos financeiros na aquisição (ou introdução de melhorias) de bens de capital de uma determinada empresa.

A ideia é que para cada ano o ideal é se rediscutir o orçamento baseado no orçamento atual e claro, conectado com as premissas do negócio da empresa.

Composição do orçamento da Manutenção

Ao se iniciar a elaboração do orçamento da Manutenção é necessário se orientar no dimensionamento correto de diversos recursos tais como:

Custos de Materiais: 

São aqueles custos necessários para manter máquinas e equipamentos em geral que fazem parte do parque fabril, incluindo-se manutenção preventiva, lubrificação e inspeções.

São as despesas do dia a dia com consumo de sobressalentes, materiais diversos de consumo em geral (parafusos, rolamentos, lixas entre outros), peças e componentes de compra direta, lubrificantes, etc.

Como normalmente esses custos podem ser tratados como centros de custo, ou seja, são rateados ou entre áreas distintas da empresa ou por máquina, sempre se faz necessário uma avaliação de um histórico (ao menos dos últimos doze meses).

Esse prazo gera dados suficientes para se chegar num valor apropriado para que o setor de Manutenção tenha os recursos suficientes para desempenhar as suas funções.

Essa premissa pode partir da alta direção da empresa, mas a Manutenção não pode deixar de apresentar as suas necessidades de recursos financeiros e fazer prevalecer o bom senso na hora de fechar os valores desse orçamento.

Custos da área da Manutenção:

Nesse quesito podemos dividir esses custos em duas áreas distintas a saber:

Custos de Mão-de-Obra:

Previsão com a mão de obra do setor com salários, férias, décimo terceiro salário e demais encargos sociais e previsão de possíveis políticas de reajustes ou aumento de quadro funcional.

Custos de Materiais:

Nessa linha devemos fazer a previsão de despesas com materiais diversos para uso dos profissionais da Manutenção. Como ferramentas em geral, peças e sobressalentes para eventuais reparos em equipamentos do setor, matérias de segurança e uniformes em geral.

Custos com energia elétrica:

Normalmente a área de Manutenção é quem faz a previsão de consumo de energia elétrica da empresa como um todo. Independente de como a empresa trata esse custo na composição final dos seus produtos. É importante não esquecer de prever os reajustes por conta das concessionárias.

Custos de Serviços de Terceiros:

Aqui nessa linha são previstas as despesas com serviços de empresas terceirizadas. Podemos citar como exemplo os serviços feitos por contratos já estabelecidos como manutenção predial, serviços de Termografia e os serviços planejados ou programados durante o ano com assistência técnica entre outros.

Conclusão

Os custos elencados acima ao meu ver são basicamente os itens que compõe os custos de Manutenção. Claro que cada empresa pode tratar de forma diferente os nomes dos custos, separações ou não por centros de custos por área e/ou subdivisão por máquina e equipamento, desde que seja do entendimento de todos é o que importa.

E você meu caro leitor, tem algo a acrescentar ou compartilhar conosco, deixe seu comentário com a sua opinião sobre o tema.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *