Trem de força automotivo

Luis Cyrino
22 abr 2022
0
194

Trem de força automotivo

Trem de força automotivo tem como função acoplar o motor que produz a potência às rodas motrizes que usam essa potência mecânica para girar o eixo dessas rodas.

Esta conexão mecânica envolve ligar fisicamente os dois conjuntos de equipamentos. Essa conexão pode estar próxima ou distante (extremidades opostas) e, independentemente disso precisa de equipamentos, peças e componentes que façam essa transmissão de um ao outro.

A velocidade de operação do motor e das rodas também são diferentes e devem ser combinadas com a relação de transmissão correta. Ou seja, o trem de força é um conjunto de equipamentos, peças e componentes responsáveis pela geração e transmissão de força.

O resultado disso é prover movimento do veículo, ou seja, essa força traciona as rodas dos eixos dianteiros e/ou traseiros. Isso depende do tipo de veículo ou máquina da linha amarela como tratores em geral.

Normalmente o trem de força é composto pelo motor, conversor de torque, transmissão, cardam (caso dos caminhões em geral) diferencial, eixos, junta homocinética e os cubos das rodas.

Trem de força e o desempenho dos veículos

O desempenho dos veículos em situações de aceleração longitudinal é dependente de dois fatores. O primeiro é a potência desenvolvida pelo motor e sua interação com outros sistemas do trem de força.

E a segunda dependência é o limite de tração entre as rodas motoras e o solo. Esses dois fatores nos dizem se todo o trem de força está desempenhando suas funções de acordo com o que foi projetado.

Traduzindo em poucas palavras, a potência gerada pelo motor é convertida em movimento para as rodas. Como já mencionado acima, todo o conjunto do trem de força pode variar quanto aos seus itens que o compõe, depende do tipo de veículo. Mas o resultado é o mesmo, tirar o veículo de sua inércia lhe proporcionando movimento por meio de tração.

Manutenção do trem de força

Baseado nos itens que compõe o trem de força, fica claro que precisamos de um plano de manutenção focado nesses itens. Basicamente todos os componentes e peças do trem de força devem resistir a cargas de alto impacto e as mudanças frequentes de direção e movimento.

E podemos notar que todos esses itens tem algo em comum, muito particular e grande gerador de problemas por falta de manutenção.

Como em todos esses conjuntos temos movimentos giratórios, é fácil de entender que temos o uso de óleos e graxas. Então nosso plano de manutenção precisa contemplar inspeções e manutenção para os lubrificantes em geral.

Periodicidade

Cada sistema de transmissão do trem de força tem o seu tempo devido para sua manutenção em geral. São verificações de vários itens e um dos mais importantes é o lubrificante.

No motor por exemplo temos a periodicidade definida pelo fabricante e o óleo adequado para ser trocado. Nas caixas do diferencial é preciso entender se temos uso de graxa ou óleo e sua especificação de periodicidade e tipo de lubrificante.

Não menos importante temos a caixa de marchas, direção hidráulica e todas as partes do trem de força que precisam de verificação e manutenção. Toda essa periodicidade de manutenção e inspeção deve ser adotada, principalmente no gerenciamento de frotas.

Se gira, tem lubrificação!!!

É fácil de entender que onde tem movimento principalmente giratório, são locais passíveis de desgaste. E os cuidados com os lubrificantes usados, seu tempo de uso, problemas de vazamentos, sujidade, entre outros, são motivos de atenção.

E nada melhor do que ter bons planos de manutenção e inspeção para fazer o que precisa ser feito. O não comprometimento com isso pode e vai gerar grandes prejuízos com paradas inesperadas de sua máquina.

E falando em lubrificação, além das partes girantes, temos transmissões articuladas que merecem muita atenção. Isso é muito presente nas máquinas agrícolas com os tratores em geral, retroescavadeiras, pá carregadeiras, etc.

Conclusão

Para fornecer o melhor tempo de atividade para todos os sistemas do trem de força, é fundamental considerar os requisitos de manutenção. Selecionar peças, lubrificantes e estratégias adequadas para oferecer o melhor atendimento às necessidades desses sistemas, é de suma importância.

E não menos importante que essas coisas, ter uma equipe de manutenção altamente qualificada. Afinal de contas estamos falando de alguns sistemas extremamente caros e alguns deles com muita tecnologia embarcada.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *