Controle de orçamento, como e porque fazer?

Luis Cyrino
6 nov 2016
0
3382

Controle de Orçamento

Definição básica de “Orçamento”

Controle de orçamento – Dentre várias definições que encontramos sobre a palavra “orçamento”, podemos chegar a uma conclusão básica onde a definição de um orçamento leva em consideração duas características essenciais. Primeiro é preciso entender qual será a receita, ou seja, o valor arrecadado ou disponível, e qual seria a despesa estimada que seria os valores a serem gastos para a execução e/ou a manutenção de algo.

Resumidamente podemos afirmar então, que um orçamento é a quantia de recursos financeiros baseados numa estimativa, que serão necessários para fazer frente a determinadas despesas. É preciso deixar claro que, essa definição não leva em conta o tipo de orçamento e para qual finalidade específica o mesmo se destina.

Orçamento empresarial

Considerando o orçamento empresarial como foco da matéria, podemos dizer que essa ferramenta de gestão tem como objetivo identificar os mais variados itens do planejamento financeiro. Isso é feito com a utilização de um sistema orçamentário que nada mais é, como um plano abrangendo todo o conjunto das operações em geral de uma empresa medido normalmente em períodos anuais.

Baseado nessas informações podemos afirmar que o orçamento é uma ferramenta geralmente utilizada para planejar, avaliar e controlar como os recursos financeiros serão utilizados pela empresa como um todo e por determinado período.

Por que fazer o controle de Orçamento?

Nas empresas o orçamento é tratado em geral como setorial, ou seja, para cada setor da empresa se define um orçamento específico sempre baseado nas premissas centrais do negócio com as estimativas de receitas.

Como todo negócio tem como objetivo “o lucro”, é que se faz necessário o controle do orçamento, ou seja, é necessário com o objetivo dessa conta ficar no positivo. Normalmente esse controle tem os valores mensais do que foi orçado e vai sendo acompanhado durante o mês o realizado, onde:

Orçamento previsto:

São os recursos / valor financeiro que se disponibilizou mensalmente para fazer com que os processos em geral da empresa possam funcionar adequadamente.

Orçamento realizado:

São os recursos / valor financeiro que efetivamente foram gastos ao final de cada mês.

Orçamento rateado

Normalmente as grandes empresas tem esses orçamentos fatiados por setores, ou seja, cada setor tem seu orçamento específico e seus gestores fazem esse controle para que os resultados fiquem dentro do previsto, é para isso que se faz o controle do orçamento. Esse fatiamento normalmente é chamado de “centro de custo” composto por uma numeração onde cada setor tem o seu.

Controle de orçamento

Esse controle de orçamento deve ser monitorado diariamente onde o gestor de cada área deve ficar atento as despesas que vão entrando no sistema e contabilizando no seu centro de custo. O gestor tem papel fundamental para controlar as suas despesas, deve estar sempre atento ao orçamento previsto e o nível do que já foi realizado. Isso para que seu resultado não entre no “vermelho” e tenha que se justificar nas reuniões gerenciais.

Situações do tipo onde se “estoura” o orçamento previsto, mostra um certo descontrole sobre suas despesas e com certeza, não é bem visto pela alta gerência. Claro que as vezes essa situação pode ser conhecida por alguma eventualidade ou imprevistos, mas via de regra é uma situação que não é bem vista.

E no setor da Manutenção?

Num passado recente, a área de Manutenção sempre foi considerada como geradora de custos indesejáveis, uma área desvalorizada e considerada como “um mal necessário”, você já ouviu essa frase? Mas com a crescente necessidade de algumas variáveis como qualidade, custos e produtividade, as empresas começaram a entender que a Manutenção teria que ter outro tratamento.

O controle do orçamento na Manutenção é ainda mais delicado pois trata-se de um setor onde a probabilidade de acontecer imprevistos é grande, e ainda mais por não ser um setor diretamente produtivo. É por esse e outros motivos que hoje em dia a Manutenção se tornou uma área estratégica nas empresas.

O papel da gestão e áreas de apoio como Engenharia de Manutenção e do PCM são fundamentais para o bom desempenho em geral da empresa. Isso para que os recursos sejam bem utilizados para contribuir com a confiabilidade e disponibilidade de máquinas e equipamentos.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *