Grandes paradas de manutenção – Gestão de um projeto

Luis Cyrino
5 abr 2022
0
568

Grandes paradas de manutenção – Gestão de um projeto

Grandes paradas para manutenção pode/deve ser entendido como o tempo de duração dessa intervenção. Não temos uma definição clara de quando podemos considerar uma grande parada a partir de um tempo determinado.

E essa grande parada para manutenção classificamos a mesma como uma preventiva. E para tentar entender isso podemos classificar as paradas de manutenção preventiva em duas vertentes:

  • Parada total
  • Parada parcial

Quando falamos em uma parada total para manutenção, é quando uma planta industrial para totalmente a sua capacidade de produção.

E quando falamos em parada parcial, quando essa mesma planta industrial para determinadas linhas ou processos de produção. Ou mesmo fazem a parada de determinados ativos, com isso restringem parte de sua capacidade produtiva.

Nota importante: essa classificação é para tentar separar os conceitos de uma grande parada e de uma parada convencional/normal. Isso não quer dizer de forma alguma que uma parada, por exemplo de alguns dias, não seja considerada para determinada planta industrial como uma grande parada.

Cada segmento de negócio tem suas particularidades de processos. E sua alta gestão vai definir o que considera uma grande parada ou parada normal. Mas de alguma maneira precisamos ter um entendimento básico, definição de parada total ou parcial já é um começo para entender isso. Portanto para este artigo será considerado como grande parada, a parada total da planta.

Gestão de uma grande parada para manutenção

Acredito que para uma gestão assertiva de uma grande parada temos que seguir basicamente as mesmas premissas de uma parada normal de preventiva.

Claro que teremos alguns fatores a mais para se preocupar com essa manutenção. E para tal, considero como ferramenta importante a utilização dos conceitos de um projeto.

Portanto uma grande parada para manutenção que envolve uma parada total de uma planta, essa manutenção é como um projeto.

Por que usar os conceitos de projeto?

Isso é simples de responder, pois os conceitos de projeto segundo o PMBOK vêm ao encontro de tudo o que precisamos para realizar essa grande parada.

O conceito de projeto segundo o PMBOK diz que um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

E o gerenciamento de um projeto faz uso da aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas necessárias para executar as atividades prescritas.

Então fica claro que usar esses conceitos está totalmente integrado às necessidades de uma grande parada, que são:

Esforço temporário: uma atividade com início, meio e fim, o que é uma premissa de uma manutenção preventiva, seja ela uma grande parada ou não.

Criar produto, serviço ou resultado exclusivo: relacionado ao propósito de buscar realizar atividades (serviço) onde o objetivo principal é elevar a disponibilidade e produtividade de um ativo (resultado).

Aplicação de conhecimento e habilidades: como todo tipo de atividade em qualquer segmento de negócios, é essencial que os profissionais envolvidos tenham um conhecimento prévio e certas habilidades.

Aplicação de ferramentas e técnicas: para executar as atividades da preventiva serão necessárias ferramentas e técnicas por vezes específicas para o sucesso do trabalho a ser executado.

Gerenciamento do projeto: as atividades em geral da grande parada para manutenção requerem o acompanhamento constante das atividades, desde seu planejamento inicial até a conclusão dos trabalhos, isso é gestão.

Portanto, todos os conceitos básicos do gerenciamento de projetos estão intrinsicamente em concordância com as necessidades do planejamento de uma grande parada.

Entendido essa similaridade entre um e outro, é preciso definir esse trabalho da grande parada baseado nos seguintes passos:

Fase inicial – grandes paradas

Nesta fase fica implícito que a grande parada é fato certo, de comum acordo entre todas as partes interessadas que essa intervenção irá acontecer. Nessa fase da estruturação da parada, é preciso contemplar algumas definições importantes, tais como:

  • Objetivos e resultados esperados da parada
  • Riscos preliminares observados
  • Estimativa do cronograma (tempo de execução)
  • Estimativa de custos envolvidos
  • Fatores críticos de sucesso (internos e externos)
  • Elaboração e aprovação do orçamento
  • Gerenciamento da parada com todos envolvidos e suas responsabilidades

Fase do planejamento – grandes paradas

Esta é a fase de enorme importância pois todas as necessidades da planta devem estar contempladas no plano da parada. E acredito que os passos a seguir devem ser elaborados com muita precisão, sem deixar nada para trás.

  • Necessidades das áreas operacionais;
  • Histórico de intervenções;
  • Interação com os manutentores;
  • Descrição das atividades: atividades contidas no plano de manutenção dos ativos, corretivas planejadas, intervenções de melhorias, etc.
  • Levantamento de recursos: mão e obra, serviços de terceiros, peças, componentes e insumos em geral;
  • Previsão dos custos x orçamento;
  • Elaboração do cronograma: alocação dos responsáveis, tempo previsto para execução da atividade;
  • Priorizar as atividades contidas no cronograma;
  • Revisão do planejamento;
  • Programação da parada;
  • Pré parada (reunião com partes interessadas).

Fase da execução

Esta é a fase de fazer acontecer tudo o que foi planejado, colocar em prática as atividades que serão necessárias para cumprir o cronograma. Nesta fase é importante seguir alguns passos para que tudo ocorra sem problemas, tais como:

  • Realização do DDS – diálogo diário de segurança;
  • Liberação para início das atividades;
  • Integração da segurança com prestadores de serviços;
  • Suporte da área de Segurança e Suprimentos durante toda a parada;
  • Gerenciamento das atividades;
  • Gestão à vista do cronograma;
  • Checklist e liberação;
  • Acompanhamento e registro final.

Mas não se iludam, tem outros fatores que envolvem o planejamento de uma grande parada e toda e qualquer parada de preventiva.

Importante tudo ser levado em consideração para conseguir o objetivo foco que é melhorar a disponibilidade e produtividade.

Um caminho aberto para se buscar o auge na gestão de ativos, a confiabilidade de máquinas e equipamentos. Antes mesmo de começar com todo o plano de uma grande parada, a gestão da Manutenção precisa ter em mente que:

  • É necessário usar a mentalidade de risco/oportunidades;
  • Alcançar a confiabilidade de seus fornecedores de peças, componentes, etc.
  • Alcançar a confiabilidade de seus fornecedores de serviços (terceirizados);
  • Planos de manutenção e lubrificação devem estar sempre revisados;
  • Procedimentos de manutenção precisam ser coerentes e revisados;
  • Ter planos de melhorias adotados;
  • Necessário sempre cultivar a sinergia com as áreas operacionais;
  • Ter implementado uma rotina de análise de falhas;
  • Buscar sempre novas técnicas e metodologias de gestão;
  • Trabalhar para que a equipe seja mais homogênea possível.

Conclusão

As grandes paradas são de muita responsabilidade quanto aos serviços que deverão ser realizados pela área de Manutenção.

Entre o planejamento e a execução podem haver imprevistos e tudo isso deve ser entendido. As grandes paradas que envolvem uma parada total de uma planta, normalmente se realizam em períodos superiores a 30 dias.

Tem até empresas que chegam a ficar paradas por períodos bem superiores, por conta de entressafra de sua matéria prima.

Portanto, uma parada dessa magnitude precisa de uma gestão extremamente assertiva, precisa de uma equipe totalmente engajada. E mais que isso, a sinergia com outras áreas é essencial, como Suprimentos, Segurança, PCP e Produção.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *