Estratégias da metodologia WCM

Luis Cyrino
28 abr 2020
1
1647

Estratégias da metodologia WCM

Estratégias do WCM – World Class Manufacturing são baseadas em muitas ferramentas e métodos para o alcance dos seus objetivos. A seguir vamos elencar resumidamente as muitas delas que fazem parte do dia a dia dessa metodologia, confira!!

EWO – Emergency Work Order

A Ordem Emergencial de Trabalho (EWO) é uma ferramenta utilizada para registrar todos os detalhes relativos a uma falha. É dotado de ferramentas como 5W-1H e a análise dos 5 Porquês para auxiliar o manutentor na descoberta da verdadeira causa raiz da falha.

Estratégias usando OPI – Operational Performance Indicator

Os indicadores de desempenho operacional são semelhantes aos KPIs, pois ambos se referem às métricas vitais de um aspecto do seu negócio.

Enquanto um KPI analisa as categorias amplas, um OPI mede uma função ou operação específica, normalmente considerada como um “gargalo” para o processo produtivo.

Os OPIs são indicadores operacionais muito importantes para se medir a eficiência operacional de uma equipe, identificando as melhores práticas do processo.

5G (Gemba, Gembutsu, Genjitsu, Genri e Gensoku)

5G é uma das 5 principais sugestões para a Resolução de Problemas, estratégias de um método para ajudar a elaborar uma melhor descrição e análise dos fenômenos e verificar todas as hipóteses.

8D

8D representa as 8 disciplinas ou as 8 etapas críticas para resolver problemas. É uma abordagem científica altamente disciplinada e eficaz para resolver problemas crônicos e recorrentes.

Essa abordagem utiliza a sinergia da equipe e fornece excelentes diretrizes para identificar a causa raiz do problema, implementar ações de contenção, desenvolver e, em seguida, implementar ações corretivas e ações preventivas que fazem com que o problema desapareça permanentemente.

Relatório A3

Um Relatório A3 é uma apresentação de um problema em uma única folha de papel, incluindo todas as informações básicas sobre o problema, causas raiz, possíveis soluções e planos de ação.

O nome vem do tamanho do papel A3, normalmente 11 “x 17”. Ao apresentar tudo em uma única folha de papel, o Relatório A3 pode ser uma ferramenta de análise de causa raiz muito útil.

Muitos praticantes enxutos acreditam que quando você limita sua resolução de problemas a uma página de papel, seu pensamento se torna mais focado e estruturado.

Jidoka

Jidoka é o termo japonês para interromper uma linha de produção quando ocorre um problema ou defeito. No tempo de Henry Ford, o operário americano poderia ser demitido por interromper uma linha de produção.

Mas Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda consideraram essa forma humana de automação fundamental para o sucesso do Sistema Toyota de Produção.

TQC – Controle da Qualidade Total

Uso 7 ferramentas da qualidade: diagrama de Pareto, diagrama de causa e efeito, fluxograma, folhas de verificação, histograma, diagrama de dispersão e gráficos de controle (CEP).

TIE – Engenharia Industrial Total

Uso das 7 ferramentas do engenheiro industrial: análise do processo, da eficácia da produção, estudo dos movimentos, do tempo, balanceamento de linha e sequenciamento, manuseio de material e melhoria de layout.

Seis Sigma

Baseado em sistemas inspirados no ciclo PDCA: DMADV e o mais usual DMAIC, baseado na análise de dados estatísticos, focados em melhorar produtos, serviços e processos já existentes.

TPM – Manutenção Produtiva Total

Baseado em pilares como a Melhoria focada, Manutenção planejada, Manutenção autônoma, Educação e treinamento, entre outros. Mudança de cultura é o que se busca nesse método onde todas as áreas da empresa devem participar da implementação do programa.

5T – derivação do 5S – SEITON

Os 5T’s são parte do segundo dos 5s, SEITON – Set-In-Order (às vezes traduzido como – Endireitar ou colocando as coisas em ordem). Eles explicam mais em detalhes o conceito do Seiton.

As cinco palavras japonesas do 5T são:

Tei-ji: Rota fixa (por onde passar?)

Para criar um fluxo de produtos, informações, equipamentos e / ou pessoas.

Tei-ichi: Lugar fixo (onde colocar?)

A fim de determinar o lugar para colocar e levar as coisas com facilidade, rapidez e segurança.

Tei-hyouji: Display padronizado (onde está, o que é, o que / como fazer?)

Para que todos possam entender facilmente lugares, artigos, o que fazer.

Tei-ryou: Qualidade fixa (quanto?)

Para controlar a quantidade de artigos.

Tei-shoku: Cores padronizadas (como distinguir?)

Para evitar erros usando cores.

Matriz QA (Garantia da Qualidade)

É um conjunto de matrizes que mostra as correlações entre as anomalias do produto e as fases do sistema de produção.

Matriz QM (Qualidade de Manutenção)

É uma ferramenta usada para definir e manter as condições de operação das máquinas, garantindo o desempenho da qualidade desejada.

Modelo 3M do sistema Toyota de Produção – STP

Composto pelas ferramentas de análise, Muda, Mura e Muri, geralmente relacionados pelas pessoas que trabalham com o Sistema Toyota de Produção (STP) como sendo os tipos de desperdícios encontrados em uma organização. Trabalham basicamente com foco em:

Análise MURA – Análise de operações irregulares;

Análise MUDA – Análise das perdas e;

Análise MURI – Análise ergonômica de estações de trabalho.

LUP – Lição de Um Ponto

LUP – Lição de Um Ponto também conhecida como LPP – Lição Ponto a Ponto, é uma ferramenta muito difundida na metodologia TPM.

É uma forma de transmitir conhecimento através de informações simples principalmente por meio de desenhos. A ideia da LUP ou LPP é transmitir uma informação de tal forma que qualquer pessoa consiga entender e aplicar apenas olhando e lendo seu conteúdo.

Priorização ABC de Máquinas e Equipamentos

Classificação usada para definir o grau de prioridade de uma máquina, equipamento ou processo. Isso é realizado para que a Manutenção defina onde atuar no momento da ocorrência de quebras e/ou falhas fazendo parte de suas estratégias de gestão.

Veja mais sobre esse tema no link: Classificação ABC

OEE – Eficiência Global do Equipamento

Ferramenta que mede a eficiência do equipamento de um modo geral onde se considera para seu cálculo três variáveis.

Fazem parte a taxa de disponibilidade do equipamento para produzir, a taxa de qualidade do que é produzido (peças boas) e a taxa de performance (velocidade de produção atual em relação a velocidade nominal – programada). Uma ferramenta essencial para direcionar as estratégias da empresa de acordo com os resultados obtidos.

Gráfico ou diagrama de espaguete

É usado para detalhar o fluxo físico real e as distâncias envolvidas em um processo de trabalho. Normalmente essa ferramenta é usada nos setores produtivos para entender o fluxo ou caminho dos processos de produção.

Poka Yoke

Uma técnica de origem japonesa que significa “A prova de erros”, ou seja, é uma técnica de prevenção para evitar possíveis erros humanos em desempenho de qualquer atividade produtiva. A ideia é que ao se evitar um erro humano na linha de produção, se impede desse erro se transformar num defeito durante o processo.

SMED (troca rápida de ferramental)

SMED é uma sigla do inglês – Single Minute Exchange Die que na melhor das traduções quer dizer “Troca rápida de um ferramental”. É um conjunto de técnicas para realizar operações que visam diminuir ao máximo o tempo de um setup.

Matriz X

É uma ferramenta para melhoria de qualidade, que permite comparar dois pares de listas de itens para destacar as correlações entre uma lista e as duas listas adjacentes. Matriz X é para relacionar o modo de defeito, fenômeno, seção de equipamentos e componentes de qualidade.

Mapeamento do Fluxo de Valor – VSM

O VSM é um método ou ferramenta baseado em fluxograma, permite destacar o desperdício de um negócio por meio de seus processos.

Com isso ajuda a representar o fluxo atual de materiais e informações que, em relação a um produto específico, fazendo isso através do fluxo de valor entre cliente e fornecedores. O VSM analisa esse fluxo de todas as etapas do processo desde a sua origem até a entrega ao cliente.

Conclusão

Pode parecer bem complicado dominar tantas ferramentas e métodos para obter os resultados que a metodologia WCM prega. Mas é necessário estudar e aplicar esses conceitos e quando vemos os resultados surgirem, é que entendemos o quão importante elas são. Nada é por acaso, essas estratégias e a disciplina do uso correto dessas ferramentas e métodos é a base do sucesso do WCM.

Para alcançar a Classe Mundial é necessário que a melhoria contínua esteja intrínseca nos métodos e processos de uma empresa. É a busca diária pela excelência operacional onde todos os setores estejam na mesma sintonia, onde diria em uma pequena frase – “Podemos fazer melhor que ontem”.

 

 

 

 

Comentários

Uma resposta para “Estratégias da metodologia WCM”

  1. Elias Lira disse:

    Ótima ferramenta para desenvolver a melhoria continua dos processos de produção de uma empresa, WCM,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *