Perigo e risco têm significados distintos

Luis Cyrino
6 abr 2021
0
787

Perigo e risco têm significados distintos

Perigo e risco são termos muito utilizados quando se trata da segurança e saúde ocupacional – SSO. Mas é fácil confundir o que significa um e outro pois estão sempre associados pelas circunstâncias.

O risco só existe onde for identificado algum tipo de perigo e não o contrário. Para se caracterizar que existe o risco, é entender que onde foi identificado um perigo que existe a possibilidade de uma exposição.

Exemplo na Manutenção

Na necessidade de se reparar um painel de alta voltagem na subestação sabemos que existe um perigo do profissional que executará esse serviço, de sofrer descargas elétricas.

Então temos o perigo identificado que associado a exposição do profissional se configura num perigo. Ou seja, o risco é uma probabilidade de acontecer o acidente gerado pelo perigo.

Para entender melhor os conceitos de RISCO e o PERIGO, vejamos o que diz a norma ISO 45.001:2018.

Perigo

Segundo a norma ISO 45.001 em seu item 3.19, conceitua o termo “PERIGO” como uma fonte potencial para causar lesões e problemas de saúde. E especifica isso da seguinte maneira:

Nota 1: Os perigos podem incluir fontes com potencial de causar danos ou situações perigosas, ou circunstâncias com potencial de exposição, levando a lesões e problemas de saúde.

E o que são essas lesões e problemas de saúde?

A norma especifica isso no item descrito abaixo:

3.18 Lesões e problemas de saúde

Efeito adverso sobre a condição física, mental ou cognitiva de uma pessoa.

Nota 1: Estes efeitos adversos incluem doença ocupacional, problema de saúde e morte.

Nota 2: O temo “lesão e problema de saúde” implica a presença de lesões ou problemas de saúde, por conta própria ou em combinação.

RISCO

Já o termo “RISCO” segundo a norma ISO OHS 45.001 significa o efeito da incerteza.

E especifica da seguinte maneira, conforme descrito na norma:

Nota 1: Um efeito é um desvio do esperado – positivo ou negativo.

Nota 2: A incerteza é o estado, mesmo parcial, da deficiência de informação relacionada a compreensão ou ao conhecimento de um evento, sua consequência ou probabilidade.

Nota 3: O risco muitas vezes é caracterizado por referência a “eventos” potenciais (conforme definido no ABNT ISO guia 73:2009, 3.5.1.3) e “consequências” (conforme definido no ABNT ISO guia 73:2009, 3.6.1.3), ou uma combinação destes.

Nota 4: O risco é frequentemente expresso em termos de uma combinação das consequências de um evento (incluindo mudanças nas circunstâncias) e da probabilidade associada (conforme definido na ABNT ISSO 73:2009, 3.6.1.1) de ocorrência.

Risco e perigo na Manutenção

Como em qualquer setor de uma empresa, a Manutenção está entre os que mais tem exposição ao perigo. Apesar de todo o aparato de segurança que máquinas e equipamentos possuem, o EPI e o EPC, os perigos existem e a exposição do manutentor é um fato.

Por isso temos hoje em dia a imensa procura pelas adequações da norma NR-12 nas empresas. E outras tratativas normativas de segurança como nas NR-10, NR-13, NR-33 e NR-35, sempre com foco na minimização dos riscos.

Melhorias são sempre bem vindas

Um fator determinante para minimizar os riscos é trabalhar constantemente em melhorias em máquinas, equipamentos e nas instalações de trabalho.

O desafio é minimizar ou eliminar o perigo, e trabalhar no quesito “exposição” do profissional em determinadas atividades. Um ou outro precisa ser amenizado ou mesmo os dois conforme cada tipo de atividade que seja identifico o perigo e necessidade de exposição.

Lembrando que a exposição do profissional não é só por ser necessária, pode acontecer em situações de uma eventualidade ou ocasional.

Paralelo as melhorias, a gestão precisa focar também nas instruções de trabalho bem elaboradas, ambientes seguros e fornecimento de ferramental adequado.

Outro fator importante está na disseminação do DDS – Diálogo Diário de Segurança. Ou seja, temos muitas ferramentas para trabalhar na redução dos riscos sempre focando em como minimizar os perigos identificados e suas formas de exposição.

Conclusão

O importante é que fique bem explícito que o risco só existe quando identificado algum tipo de perigo onde a exposição do trabalhador é possível.

É importante no caso, a empresa trabalhar constantemente na identificação dos perigos e quanto o trabalhador pode ficar exposto ao mesmo. E que possa causar lesões ou problemas de saúde conforme os conceitos que vimos na norma ISO 45.001.

E que, além da identificação e foco na redução ou eliminação desses perigos, uma das melhores ferramentas para evitar os constrangimentos de um acidente, é a conscientização.

Você pode ter as melhores instalações, ferramental e tudo mais, mas se o trabalhador não tiver a consciência do perigo, fica sem sentido todo esse trabalho e preocupação com a segurança.

Fonte:

Conceitos e referências da própria Norma ISO 45.001:2018

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *