Brainstorming auxiliando na análise de falhas

Luis Cyrino
23 set 2016
4
5054

Brainstorming

Brainstorming (palavra de origem do inglês que significa “tempestade cerebral”) ou tempestade de ideias, é uma atividade desenvolvida para explorar a potencialidade criativa de um indivíduo ou de um grupo a serviço de objetivos pré-determinados.

A técnica propõe que o grupo se reúna e utilize a diversidade de pensamentos e experiências para gerar soluções inovadoras, sugerindo qualquer pensamento ou ideia que vier à mente a respeito do tema tratado.

Com isso, espera-se reunir o maior número possível de ideias, visões, propostas e possibilidades que possam levar a um consenso entre o grupo e assim ser eficaz para solucionar problemas que impedem algo de seguir seu rumo normal.

A técnica de Brainstorming tem várias aplicações dentre elas, seu uso área da Manutenção como uma técnica de auxílio na resolução de problemas.

Podemos dividir a técnica do Brainstorming em três etapas:

  1. Determinar um fato, uma ocorrência para o debate;
  2. Geração das ideias;
  3. Encontrar a solução.

Princípios básicos do Brainstorming

Podemos entender como dois princípios básicos dessa técnica que são:

Atraso do julgamento:

A maioria das más ideias são num primeiro momento boas ideias, portanto atrasando ou adiando o nosso julgamento, é dada a hipótese de que todas as ideias são viáveis.

O ser humano tem a tendência natural de apressar o julgamento e quando praticamos o atraso do julgamento, é dado a nós a permissão de usar a nossa mente criativa para gerar ideias sem as julgar. Pode parecer algo não natural, mas depois tem as suas recompensas. Quando geramos ideias, é necessário ignorar a importância da ideia, se é usual ou não, é prática ou não, se tem lógica ou não. Neste momento, todas as ideias são iguais então é necessário atrasar o julgamento enquanto ainda não se terminou a geração das ideias.

Criatividade em quantidade gera qualidade:

Essa técnica parte do princípio que quanto mais ideias forem geradas, mais provável encontrar uma boa ideia. A técnica de Brainstormingse beneficia da vantagem de associações que se desenvolvem quando se consideram muitas ideias, ou seja, uma ideia pode levar a uma outra onde ideias más podem levar a boas ideias. Por vezes, não conseguimos pensar num problema enquanto não houver algumas respostas e o Brainstorming dá-nos a hipótese de pôr as ideias que passam por nossas mentes serem colocadas no papel, de maneira a se chegar as melhores delas.

As quatro principais regras do Brainstorming são:

  1. Críticas são rejeitadas:

Esta é provavelmente a regra mais importante. A não ser que a avaliação seja evitada, o princípio do julgamento não pode operar.

  1. Criatividade é bem-vinda:

Esta regra é utilizada para encorajar os participantes a sugerir qualquer ideia que lhe venha à mente, sem preconceitos e sem medo que sua ideia receba avaliações de imediato.

  1. Quantidade é necessária:

Quanto mais ideias forem geradas, mais hipóteses sugerem encontrar uma boa ideia. Quantidade acaba gerando uma ideia com qualidade.

  1. Combinação e aperfeiçoamento são necessários:

O objetivo desta regra é encorajar a geração de ideias adicionais para a construção e reconstrução sobre as ideias dos outros.

Como implementar uma sessão de Brainstorming?

Embora não haja regras específicas para implementar uma sessão de Brainstorming, as seguintes atividades são bastante típicas:

Desenvolver um enunciado para o problema;

Selecionar um grupo de 6 a 12 participantes;

Comunicar aos participantes falando-lhes acerca do problema, incluindo o enunciado do problema, o contexto, bem como algumas soluções e outras coisas que se revelem úteis para o caso;

Escrever o problema num quadro visível a todos os elementos pertencentes ao grupo;

Falar sobre as 4 regras principais do Brainstorming;

Requisitar novas ideias aos participantes definindo uma regra de chamada e uma ideia deve ser sugerida em cada momento;

Definir um responsável que possa escrever e tomar nota das ideias;

Definir um tempo de duração da sessão, sugiro até no máximo de 30 minutos;

Selecionar um grupo até 5 pessoas para avaliação ou o mesmo grupo;

Com base na lista de ideias, sugerir a seleção das melhores ideias;

Fornecer ao grupo original (se for o caso) um relatório com as ideias selecionadas pelo grupo de avaliação e verificar se existe mais alguma ideia estimulada pela lista;

Dar a lista final de ideias à pessoa ou grupo de trabalho que o iniciou.

Conclusão

Então podemos concluir que essa ferramenta é muito eficaz para levantar algumas hipóteses, mas por si só não traz a causa raiz do problema que uma análise de falhas tem como objetivo maior. Sempre nesse caso é necessário o uso de outras técnicas em conjunto como a análise dos 5 Porquês e Ishikawa por exemplo.

Comentários

4 respostas para “Brainstorming auxiliando na análise de falhas”

  1. Francisco disse:

    Obrigado por compartilhar de forma tão didática esse assunto que muitas das vezes é deixado de lado devido dificuldades de entendimento da metodologia.

    • Luis Cyrino disse:

      Francisco te agradeço pelo feedback, nós do Manutenção em foco procuramos usar uma linguagem simples e de fácil entendimento para compartilhar um pouco sobre vários temas de interesse da comunidade industrial. Valeu!!!

  2. Ricardo de Araujo Brasil disse:

    Parabéns, excelente artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *