Manutenção Corretiva, como minimizar esse tipo de manutenção?

Luis Cyrino
23 fev 2015
5
13095

Manutenção Corretiva – conceitos 

Manutenção Corretiva é sem dúvida a forma mais antiga e rudimentar de manutenção que conhecemos e conforme algumas literaturas teve seu início durante a primeira guerra mundial.

Isso se deu quando Henry Ford ao implantar a produção em série com máquinas operatrizes logicamente precisaria que quando quebradas precisariam ser reparadas no menor tempo possível. Com isso foram criadas as equipes de manutenção que eram subordinadas à operação.

Portanto podemos definir que a manutenção corretiva tem a finalidade de recolocar uma máquina ou equipamento em condição de executar sua função ao que foi projetado, ou seja, se quebrar ou diminuir sua capacidade de produção a manutenção é chamada e conserta.

De acordo com algumas literaturas a Manutenção Corretiva pode ser dividida em:

Corretiva Paliativa:

Consiste no reparo após a falha e visa colocar a máquina ou equipamento em condições de uso, restabelecendo uma condição provisória de funcionamento antes de uma reparação adequada.

Corretiva Curativa:

Também consiste no reparo após a falha, porém dessa vez numa reparação adequada visando ao restabelecimento da função da máquina ou equipamento.

Corretiva Planejada:

O reparo é feito em momento previamente programado com a produção e com todos os recursos necessários antes que a falha aconteça, esse tipo de manutenção só é possível quando se consegue identificar um problema que inevitavelmente causará uma falha.

Convivendo com a Manutenção corretiva

Quando se trabalha com esse tipo de manutenção, as ocorrências de paradas inesperadas serão inevitáveis, com isso haverá a necessidade de uma equipe especializada para esse tipo de atendimento.

A equipe de manutenção corretiva deve estar sempre em um local específico para ser encontrada facilmente e atender aos chamados de imediato.

Dependendo da máquina ou equipamento, às vezes é mais conveniente, por motivos econômicos, deixá-lo parar e resolver o problema por atendimento de emergência e em outras situações onde a parada podem ser consideradas catastróficas esse tipo de manutenção é totalmente inadequada, pois se constitui na forma mais cara de manutenção.

Como podemos minimizar esse problema?

Apesar das dificuldades e dos resultados negativos apresentados da manutenção corretiva, podemos adequar esse modo de atendimento para obter melhores resultados e seria necessário de:

1. Equipe com pessoal qualificado e treinado para atuar com rapidez e eficiência em todos os tipos de falhas possíveis e com disponibilidade de atendimento em todos os horários onde haja atividades na empresa.
2. Disponibilizar as ferramentas adequadas de uso pessoal e coletivo para que toda a equipe possa atuar de forma rápida e eficaz.
3. Disponibilizar todos os manuais e diagramas referentes às máquinas, equipamentos e instalações em local adequado e de fácil acesso.
4. Constituir um estoque de peças e materiais diversos suficientes para os manutentores terem a mão tudo que precisem para efetuar o reparo sem perda de tempo.
5. Registros das intervenções por meio de ordens de serviço emitidas pelo solicitante do reparo de modo a contemplar hora de inicio e fim da manutenção, materiais utilizados e principalmente os motivos da falha.
6. Efetuar a análise de falhas conforme parâmetros estabelecidos pela Gestão para possibilitar a eliminação ou minimização das causas das falhas apresentadas nas máquinas ou equipamentos.
7. Implantação de serviços de rotina que constam de inspeção e verificação das condições técnicas e dos sistemas de lubrificação das unidades das máquinas e equipamentos. A detecção e a identificação de pequenos defeitos auxiliam e muito na prevenção das paradas inesperadas. E essa responsabilidade pelos serviços de rotina pode e deve ser compartilhada com todos os operadores de máquinas e equipamentos.

Quer saber mais sobre a Manutenção corretiva, veja no link abaixo uma matéria que falamos sobre a importância de uma equipe de manutenção qualificada e bem treinada. Espero que gostem da matéria, compartilhem e qualquer dúvida entre em contato conosco.

Corretiva qualificada e treinada

Comentários

5 respostas para “Manutenção Corretiva, como minimizar esse tipo de manutenção?”

  1. Edson NUNES disse:

    Muito bom texto. Na empresa q trabalho, fazem a corretiva paleativa, de modo antigo e inadequado, o sistema é bastante complexo, mas com certeza dá para melhorar e muito. O q está faltando são nossos gestores pensarem como tal e não querer tapar o sol com a peneira…como é feito. Estes textos fazem com q eu cresça cada dia mais, multiplicando meu conhecimento. Parabéns e muito obrigado.

    • Luis Cyrino disse:

      Boa tarde Edson, como sempre enfatizo em minhas matérias, “A solução começa na Gestão” e com certeza pessoas como você podem mudar essa realidade dando sugestões e procurando sempre fazer o seu trabalho da melhor maneira possível.
      Fico muito feliz que tenha gostado da matéria e principalmente que esteja sendo útil para você. Espero que continue lendo as minhas matérias porque vem muito mais por aí, hoje mesmo convido você a ver minha nova postagem sobre um assunto bem comum, a relação entre a manutenção e a produção.
      Um grande abraço.

  2. Ailton Gomes disse:

    Ótimo material faltou abordar um pouco sobre FMEA.

    • Luis Cyrino disse:

      Obrigado pelo comentário Ailton. Com certeza esse tópico como outros como FTA, RCM entre outros estará no blog em breve como ferramenta de confiabilidade.

  3. Alexandre Athayde disse:

    Bom assunto para ser comentado. Porém hoje existem muitas ferramentas quantitativas e qualitativas para termos um horizonte de onde estamos e aonde queremos chegar. Conhecer os Bad Actors de planta uma missão da gestão da manutenção. Porém, uma gestão sem “histórico” fica ainda mais difícil de conhecermos. As manutenções reativas tem um custo como nós sabemos muito alto, desde do evento da mobilização, identificação do componente, desmontagem, substituição, montagem. teste e entrega a operação, todos os passos somados chamamos de tempo para reparo MTTR. Este indicador é um item que afeta gravemente a disponibilidade, pois como se pode explicar um baixo MTBF? Então para minimizar as manutenções reativas (corretivas) devemos trabalharmos fortemente nos modos de falhas de cada família existente em cada SITE, estratificar todos históricos e elaborar planos de manutenção baseado no tempo e condição, inspeção sensitiva e lubrificação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *