Óleo automotivo e sua classificação

Luis Cyrino
28 jan 2018
0
2296

Óleo automotivo e sua classificação

Óleo automotivo – Para facilitar a escolha do lubrificante correto para os veículos automotivos, existem várias as classificações, sendo as principais SAE e API.

E essa classificação para óleo automotivo existe para facilitar a sua escolha adequada. Você já se deparou com aquela situação onde precisou de óleo automotivo para o motor ou caixa de transmissão para o veículo da sua frota e se deparou com aquela dúvida: “o que significam algumas siglas, letras e números na descrição das embalagens dos óleos ou como eu devo fazer para escolher o óleo certo? ”

Quais são essas classificações?

Os lubrificantes automotivos foram classificados por órgãos internacionais e pelas montadoras de acordo com sua viscosidade e com sua aplicabilidade. As classificações mais utilizadas pela indústria automobilística são as seguintes:

SAE (Society Automotive of Engineers) quanto a viscosidade dos óleos, e;

API (American Petroleum Institute) quanto a sua aplicabilidade.

Classificação SAE

Estabelecida pela SAE – Sociedade dos Engenheiros Automotivos dos Estados Unidos, faz a classificação dos óleos lubrificantes pela sua viscosidade, que é indicada por um número.

Nessa classificação, há basicamente dois grupos: óleo monoviscoso (por exemplo, “óleo 30″ ou “óleo 30w “) e óleo multiviscoso (por exemplo “óleo 10w30″). Os óleos do tipo monoviscoso são pouco utilizados em carros hoje em dia, isso devido à maior capacidade dos óleos do tipo multiviscosos (combinação entre um e outro tipo), de apresentarem menor variação da sua viscosidade quando se varia a temperatura.

Quanto maior este número, mais viscoso é o lubrificante e são divididos em três categorias:

Óleo de verão: SAE 20, 30, 40, 50, 60;

Óleo de inverno: SAE 0W, 5W, 10W, 15W, 20W, 25W;

Óleo multiviscoso (inverno e verão): SAE 20W-40, 20W-50, 15W-50.

Observação: na descrição “óleo SAE 20W-40” por exemplo, a letra “W” do termo 20W vem da palavra em inglês “winter“, que significa inverno, depois dele o número seguinte (40) faz referência para óleo de verão, como complemento para identificação. Quanto maior o número, maior a viscosidade, isso para o óleo suportar maiores temperaturas. Graus menores suportam baixas temperaturas sem se solidificar ou prejudicar a bombeabilidade do lubrificante.

Desta forma, um óleo multigrau SAE 20W40 se comporta a baixa temperatura como um óleo 20W reduzindo o desgaste na partida do motor ainda frio e em alta temperatura se comporta como um óleo SAE 40, tendo uma ampla faixa de utilização.

Esse é o tipo utilizado por exemplo, aqui no Brasil, o óleo multiviscoso que se comporta adequadamente tanto para as baixas como as altas temperaturas ambientes.

Para você meu caro leitor entender melhor o que acabamos de descrever sobre a classificação SAE, veja a figura abaixo:

 Classificação API

Classificação desenvolvida pelo Instituto Americano do Petróleo, também dos Estados Unidos, baseia-se na especificação dos níveis de desempenho dos óleos lubrificantes. São classificados por duas letras, a primeira indica o tipo de combustível do motor e a segunda o nível de desempenho.

Quanto a primeira letra, essa classificação API divide os óleos de motor em duas categorias:

  • Para motores a combustão interna, que utilizam velas para gerar a combustão, devem ser lubrificados pelos óleos API “S” (service).
  • Para motores a diesel (com combustão “espontânea”), devem ser lubrificados pelos óleos API “C” (comercial).

Quanto a segunda letra, essa classificação API se caracteriza da seguinte maneira:

O nível de desempenho do lubrificante é melhor de acordo com a sequência alfabética da segunda letra depois da letra “S ou C”. Por exemplo: a classificação API S J é inferior à classificação API S L que por sua vez é inferior à classificação API S M até a letra N que é a mais alta em desempenho nos dias atuais. Vejam na figura abaixo a evolução desses níveis de desempenho.

Temos também outra classificação para os óleos lubrificantes para engrenagens, são os API GL, onde “GL” indica Gear lubrificant (lubrificante de engrenagens, em inglês).

Outras siglas para classificação do óleo automotivo

ACEA (Associação Europeia de Fabricantes Automotivos): Classificação europeia para as diferentes aplicações dos óleos de motor descritas através de letras.

JASO (Japanese Automobile Standards Organization): Qualifica o desempenho dos lubrificantes para motores de motocicletas 4T em relação às características friccionais do óleo no sistema de transmissão.

Conclusão

Lembrando que a lubrificação requer um plano realmente eficaz e que contemple todos os pontos dos ativos. Uma lubrificação deficiente ou com lubrificante inadequado com certeza vai gerar um grande problema.

Temos outras características importantes para que a lubrificação seja realmente eficiente. Podemos citar como exemplo o seu acondicionamento correto, as quantidades adequadas, entre outras.

O Manutenção em foco tem em seu portfólio, treinamentos voltados para a área de lubrificação. Podemos também fazer uma consultoria e assessoria para a solução de problemas voltados na área de manutenção em geral.

Consulte nossos serviços e entre em contato, podemos lhe fazer uma visita técnica sem compromisso. Confira no link abaixo.

https://www.manutencaoemfoco.com.br/servicos/

 

Fonte:

http://www.potencialpetroleo.com.br/

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *